Após pico da pandemia, Governo do Amazonas inaugura ala em hospital de campanha para atender indígenas

Foto: Reprodução Internet

Após várias denúncias de abandono dos povos indígenas em relação ao enfrentamento da pandemia de Covid-19, o governador Wilson Lima, inaugurou na manhã desta terça-feira (26), uma ala específica para atender indígenas no hospital de campanha Nilton Lins, na zona Centro-Sul de Manaus.

O hospital de campanha iniciou as atividades em 18 abril e foi alugado pelo valor de R$ 2,6 milhões  e somente agora, após o pico da  pandemia de coronavírus no Amazonas, foi criado uma ala específica para atender os indígenas diagnosticados com Covid-19, que já fez 40 vítimas fatais.

Questionado sobre a demora para criar estratégias para proteger os indígenas, o secretário Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Robson Santos da Silva, afirmou que ainda não se conhecia muito sobre a doença e que o dinheiro enviado pelo Governo Federal não seria suficiente.

“Nesse contexto, foi repassado R$ 130 milhões somente para Covid, além disso são 232 mil testes mais de 1 milhão em EPIs e testes. Então o Governo Federal não demorou (a agir)”, disse o secretário.

Segundo ele, a demora ou não em atender os indígenas “é uma questão de pontos de vista e tem que ser baseada em datas”. Agora, segundo o secretário, o momento é de união.

De acordo com o Governo, a ala indígena do Hospital de Combate à Covid19 disponibilizará 33 leitos clínicos e 20 de alta complexidade. Com isso, a unidade de referência para o novo coronavírus, inaugurada no dia 18 de abril, passa a contar com 148 leitos no total.

Inicialmente, o Governo  anunciou que o Hospital de Campanha da Nilton Lins teria 400 leitos para atender a população em geral. Atualmente com a nova ala o hospital disponibiliza apenas 148 leitos no total.