Após polêmica, ministro de Temer deve dar explicações à Comissão de Ética

ministro-da-justica-alexandre-moraes

Depois de ter feito declaração polêmica, durante um comício em Ribeirão Preto-SP, quando antecipou que haveria mais etapas da Operação Lava Jato, um dia antes da prisão de Antonio Palocci, o Ministro da Justiça Alexandre Moraes foi cobrado a dar explicações num prazo de dez dias à Comissão de Ética da Presidência.

Também por causa dessa declaração, Moraes participou de uma reunião com o presidente Michel Temer, nessa terça-feira. Temer teria repreendido o ministro, já que este tipo de comportamento gera desgaste para o Palácio do Planalto. Assessores de Temer chegaram a defender a demissão do titular da pasta da Justiça, mas o peemedebista avaliou que isto criaria uma crise ainda pior.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, o presidente da comissão, Mauro Menezes, disse que o episódio já seria discutido, mas que decidiu pedir explicações oficiais após uma denúncia ser protocolada no órgão pelo deputado Afonso Florence (PT-BA).

Segundo Menezes, se ficar comprovado que Moraes fez uso de informação privilegiada do governo, a comissão poderá aplicar uma sanção, que vai de uma advertência até uma recomendação ao presidente que o demita. Além disso, o ministro pode ser processado – o vazamento de informações privilegiadas é crime.

Fonte: Notícias ao Minuto