Após prefeito de Tefé gastar R$330 mil em show de Raí Saia Rodada, moradores do município denunciam cidade ‘abandonada’

Como protesto, povo está até plantando bananeira em um dos inúmeros buracos da cidade

Depois que o prefeito Nicson Marreira (PTB) contratou a atração Rai Saia Rodada para a Festa da Castanha do Município de Tefé por R$330 mil reais, a população do município entrou em contato com a reportagem para denunciar a atual situação da cidade, revelando ruas da cidade totalmente esburacadas, com até mesmo uma árvore sendo “plantada” em um desses buracos como forma de protesto por parte da população. Na época, a contratação da banda foi feita através da Secretaria Municipal de Cultura e Comunicação, com dispensa de licitação.

O denunciante questionou os valores pagos e aproveitou para questionar os valores que envolveram o show da atração em Tefé. “Enquanto a população tefeense sofre com o descaso do poder público com as ruas do município esburacadas, o prefeito de Tefé [Nicson Marreira] gasta trezentos mil reais com a contratação da banda Rai Saia Rodada, que cantou apenas uma hora na Festa da Castanha”, reclamou ele.

Ele ainda disse que o valor de R$330 mil foi bem acima do que normalmente cobra a banda. “Em uma busca no Google,você encontra que o show dessa banda custa entre oitenta a cem mil reais, um verdadeiro desvio de recursos públicos”, comentou.

O homem ainda detalhou que existem mais problemas dentro do município. “Cansada do abandono, a população plantou uma bananeira em meio a tantos buracos nas vias. Tem muito mais por aqui, reformas de escola com valores superfaturados, licitações direcionadas, empresas fantasmas”, afirmou ele.

Problemas anteriores

No último dia 19, moradores de Tefé questionaram a situação atual da estrada do Emade, que está tomada por lama e sem condições de trafegabilidade, após uma obra que teve custo total de R$4,1 milhões (R$4.158.702,15),  feita com dispensa de licitação.

Em abril deste ano, foi revelado pelo Radar Amazônico que  prefeito Nicson Marreira (PTB) pretendia gastar mais de R$ 15 milhões com contratação de empresa especializada em recuperação de pavimentação, construção de calçadas, meio-fio e sarjeta no município de Tefé (a 522 quilômetros de Manaus).

Ainda em abril deste ano, o Radar Amazônico denunciou que o prefeito de Tefé e vereadores estavam sendo investigados por “mensalinho”, fraude em licitação e irregularidades em processo seletivo, após os vereadores serem gravados falando sobre pagamentos mensais feitos pelo prefeito Nicson Marreira.

Gastos milionários não são novidade na gestão do atual prefeito. Em fevereiro de 2022, ele anunciou a obra de um muro de contenção de Tefé custou mais de R$22 milhões aos cofres públicos. Na época da contratação, ele não especificou o prazo da obra e suas dimensões.

Em outubro de 2021, o prefeito Nicson virou notícia após mais de R$700 mil à empresa de irmão do vice, Gilmar William Veloso, conhecido popularmente como ‘Preto Veloso’, para a contratação de serviços de internet. O irmão do vice é Jucimar de Oliveira Veloso Junior, dono da empresa Veloso Net Serviços de Comunicação Multimidia Eireli.