Após quase 12 anos, Belarmino Lins deixa o PMDB de Braga para fortalecer o grupo político de Omar Aziz

Belão e Omar

O documento informando a desfiliação do deputado Belarmino Lins do PMDB que tem como dirigente estadual o ministro, Eduardo Braga, foi entregue na 40ª Zona Eleitoral do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) às 15h desta sexta-feira (11). Belão, como é mais conhecido, está no sétimo mandato de deputado estadual, os últimos três deles foi eleito pelo PMDB. Segundo sua assessoria, ele justifica sua saída do PMDB por “questões pessoais’. Em conversa telefônica com políticos locais, o Radar captou que Belão deve ir pro partido onde está seu irmão, Átila Lins, o PSD liderado no Estado pelo senador Omar Aziz.

Há algum tempo, a situação de Belarmino Lins no PMDB pode ser definida como, no mínimo desconfortável. Em 2014, apesar de fazer parte da coligação de Braga, Belão era apontado por muitos como “do contra” – pra não dizer expressão muito pior – por causa de sua proximidade com o governador José Melo, candidato à reeleição. Belão é vice-presidente da Assembleia Legislativa do Estado, mas sempre ocupa a cadeira da presidência da Casa, em substituição a Josué Neto, quando há projetos polêmicos e impopulares do Governo de Melo. É acusado pela oposição de fazer de tudo para que os projetos do Governo sejam aprovados, nem que tenha que “atropelar o Regimento Interno” e entrar em rota de colisão com seu próprio partido, o PMDB, que hoje faz parte da bancada oposicionista, além de ir contra orientação da liderança peemedebista, antes ocupada pelo então deputado Marcos Rotta e, atualmente pelo deputado Vicente Lopes.

Belarmino chegou a explicar seu comportamento dizendo “não saber ser oposição já que sempre foi, assumidamente, governista”. Esses fatos devem explicar comentário de um deputado, feito ao telefone, para o Radar: “Já era de se esperar, faz muito tempo que Belarmino não é do PMDB”, disse o parlamentar.

Belão, não entrou em detalhes sobre sua saída do PMDB, resumindo-se a determinar que sua assessoria justificasse apenas como “uma questão pessoal”. Para quem achou estranho, Belão, que se diz eternamente governista sair do PMDB, mesmo com a possibilidade do líder do partido, Braga, vir assumir como governador, outro deputado diz que há muito tempo estava insustentável a permanência dele (Belão) no PMDB e que, mesmo no caso de Braga assumir, Belão não teria mais “vida fácil” nas hostes peemedebistas. “Por outro lado, Omar está vendo nomes fortes de seu partido, como o deputado federal Silas Câmara, saírem do PSD e tem que recompor seu quadro partidário. Deve ter acenado com uma situação bastante proveitosa para que Átila Lins permanecesse no PSD e trouxesse o irmão, Belão”, comenta o deputado. (Any Margareth)

Doc Belão

Clique na imagem para ampliar