Após reunião na Prefeitura, rodoviários mantêm greve em Manaus

 

Sem as reivindicações atendidas, o Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Coletivo Urbano e Rodoviários de Manaus e Região Metropolitana (STTRM) anunciou que vai manter a greve do transporte público na capital, iniciada na terça-feira (29). Segundo o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Givancir Oliveira, a categoria voltou a se reunir, nesta quarta-feira (30), com os empresários e a Prefeitura de Manaus, mas não chegaram a um acordo.

“A greve está mantida, por tempo indeterminado, enquanto não pagarem o reajuste salarial de 3,5% da categoria, além do dissídio coletivo de 2018/2019”, afirmou o representante.

A primeira reunião entre os rodoviários, os empresários do transporte público e o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, aconteceu nessa terça-feira (29), mas terminou sem acordo. Por conta do impasse, o prefeito determinou um prazo de 24 horas para que as categorias firmem acordo sob pena de multa.

Ainda na terça, a presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Eleonora de Souza Saunier, aumentou a multa imposta ao Sindicato dos Rodoviários de R$ 30 mil para R$ 200 mil por hora. A desembargadora determinou, ainda, outra multa no valor R$ 90 mil pelo descumprimento da decisão judicial. “Sobre as multas já estamos recorrendo na Justiça e vamos aguardar a decisão”, disse Givancir Oliveira.

Segundo dia de greve

Nesta quarta, a paralisação chegou ao segundo dia com 70% da frota dos ônibus circulando pelas ruas de Manaus. Da frota de 1,3 mil veículos, apenas 800 coletivos saíram das garagens para atender a população. Na terça, apenas 50% da frota operou na capital.