Após ser ampliada investigação na CPI da Asfixia, Wilker e Dermilson retiram CPI da Pandemia

Foto: Divulgação

Na manhã desta quinta-feira (08), o deputado Wilker Barreto (Podemos) anunciou que vai retirar de pauta o pedido de criação da CPI da Pandemia, de autoria dele e do deputado Dermilson Chagas (Podemos). A decisão ocorre após a inclusão de uma emenda, feita pelos deputados do Podemos, no pedido de criação da CPI da Asfixia, de autoria do deputado bolsonarista Delegado Péricles (PSL).

“Como a CPI proposta por mim e pelo Dermilson foi derrubada há uma assinatura do seu início. E nós [Wilker e Dermilson] estamos aqui em minoria no parlamento, o governo tem maioria. Nós apresentamos a nossa emenda, proponente Péricles aceitou e os contratos foram aditivados na CPI da Asfixia, que vai investigar os contratos de março de 2020 até o final da CPI”, justificou Wilker.

Além de retirar de pauta o pedido de criação da CPI da Pandemia e assinar a CPI da Asfixia, Wilker ainda convidou os outros deputados a apoiarem a nova comissão:

“Estamos retirando a CPI da Pandemia e conclamando os deputados para que assinem ainda hoje para nós inicarmos a CPI da Asfixia”, finalizou.

O deputado Ricardo Nicolau, que apoiou a CPI da Pandemia, declarou que também vai assinar a CPI da Asfixia e apresentar ainda hoje, um requerimento para estender a linha e atução ao atendimento realizado nas unidades de Saúde.

“Estou também entrando com um requerimento para poder avançar no esclarecimento da questão médica, da questão hospitalar do Amazonas que fizeram do Amazonas o campeão mundial de letalidade. Também para entender o motivo da demora da transferência de pacientes de uma UPA ou de um SPA”, declarou.

A CPI da Asfixia possui a assinatura dos deputados: Delegado Péricles (PSL), Serafim Corrêa (PSB), Sinésio Campos (PT), Wilker Barreto (Podemos), Dermilson Chagas (Podemos) e Ricardo Nicolau (PSD). Faltam apenas duas assinaturas para a CPI ser instaurada.