Após ser exonerada pelo governador, Waldívia Alencar desabafa nas redes sociais: “muita gente quebra a cara na vida porque acredita no errado”

Face Waldívia Alencar

A ex-secretária de Infraestrutura do Estado, Waldívia Alencar, não diz textualmente o nome do governador – será que precisa? Mas, no dia seguinte a sua exoneração da Seinfra, ou seja, na manhã desta sexta-feira (02), a ex-colaboradora do Governo do professor Melo postou, em tom de ensinamento, o seguinte comentário nas redes sociais: “Muita gente quebra a cara na vida porque acredita no errado, duvida do certo, abandona o verdadeiro e valoriza o falso”.

Waldívia Alencar é descartada do Governo  no momento em que está no “olho do furacão”. Ela é apontada pelo Ministério Público de Contas (MPC) como responsável por graves irregularidades a frente da Secretaria de Infraestrutura do Estado que causaram rombos milionários aos cofres públicos. Parecer do MPC aponta superfaturamento de R$ 20 milhões em contratos da Seinfra com empreiteiras e empresas que fazem projetos de engenharia.

E ainda tem mais acusações contra Waldívia. Em entrevista ao Radar, o procurador do Ministério Público de Contas, Carlos Alberto Souza de Almeida, confirmou abertura de investigação sobre contrato de mais de R$133 milhões do Governo de Melo, via Seinfra – ler Waldívia Alencar – para a contratação de um pool de empresas, praticamente todas elas de São Paulo, para fazer fiscalização em obras do Estado. Ou seja, a Seinfra gastou milhões para pagar empresas que nem são daqui pra fiscalizar obras do Estado, tendo pessoal técnico responsável por esse mesmo serviço.

Porém, fica a pergunta: Waldívia Alencar assinaria algo que não tivesse sido ordenado pelo governador do Estado? Lógico que não! Mas assim como todos os colaboradores de Melo que se meteram em encrencas – é só lembrar dos oficiais da PM acusados de crime eleitoral –, ela ficou sozinha no “furacão” de denúncias contra o Governo.

E, pelo texto da postagem nas redes sociais, e pela cara que faz na foto, está para poucos amigos, entre eles o governador a  quem serviu. (Any Margareth)