Após ter mandato cassado por abuso de poder, ex-vereador Sandro Maia se torna subsecretário na Prefeitura de Manaus

A decisão foi publicada Diário Oficial da Prefeitura de Manaus e a Semacc divulgou o ato por meio de post em rede social

Foto: Robervaldo Rocha/ CMM

O ex-vereador Sandro Maia, que teve a cassação do mandado confirmada pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), por abuso de poder, foi nomeado subsecretário de Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal, da Prefeitura de Manaus. A subsecretaria integra estrutura da Secretaria Municipal de Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal (Semacc).

A decisão foi publicada Diário Oficial da Prefeitura no dia 8 de abril deste ano. Um post de boas-vindas foi divulgado na página da Semacc em uma rede social com o título “Novo subsecretário”. No texto, o órgão afirma que, na manhã de segunda-feira (11), o titular da Semacc, Wanderson Costa, recepcionou Maia no pátio da secretaria, situada no bairro São Francisco, zona Sul de Manaus.

 

Trecho do Diário Oficial da Prefeitura de Manaus que menciona a nomeação de Maia.

Entenda a cassação

De acordo com o Ministério Público Eleitoral (MPAM), durante a campanha de 2020, Maia utilizou o instituto que carrega seu nome (Instituto Sandro Maia) para oferecer cursos, distribuição de cestas básicas e realização de eventos sociais com o intuito de angariar votos. Vale ressaltar que Sandro Maia foi eleito ao cargo de vereador, em 2020, com 5.021 votos.

A Justiça Eleitoral entendeu que o parlamentar cometeu abuso de poder econômico e político ao usar um instituto para conseguir votos nas eleições municipais de 2020. Ficou decidido que Maia ficaria inelegível por oito anos e a cassação deveria ser cumprida imediatamente.

A vaga do parlamentar foi ocupada por Gilmar Nascimento (União Brasil), que entrou com a Ação em dezembro de 2020, e apresentou fotos de ações sociais do Instituto Sandro Maia publicadas pelo então candidato.

Suspeito de empregar parentes na CMM

Em julho do ano passado, o MPAM, por meio da 77ª Promotoria de Justiça Especializada de Proteção ao Patrimônio Público (PRODEPPP), informou que iria adotar medidas administrativas e judiciais previstas em Lei para a defesa e proteção do patrimônio público e dos Princípios Constitucionais que regem a Administração Pública, após a suspeita de que Sandro Maia teria empregado parentes na Câmara Municipal de Manaus.

Apesar da instauração do inquérito, o documento de nº 06.2021.0327-5, assinado pela Promotora de Justiça, Wandete de Oliveira Netto, não revela o nome das servidoras envolvidas na investigação do MPAM.