Após ter que pagar por exame, professores da rede estadual testam positivo para Covid-19

Foto: Reprodução

Na contramão do que está acontecendo em São Paulo, por exemplo, onde o governo estadual tem feitos exames para diagnóstico do novo coronavírus em professores e alunos, os profissionais do sistema estadual de ensino estão tendo que tirar dinheiro do próprio bolso quando notam que estão com sintomas da Covid-19.

Três deles testaram positivo e estão lotados nas escolas Samuel Benchimol, Almero de Miranda Leão e Maria do Céu, ambas na zona Norte de Manaus. A informação foi repassada ao Radar pelo coordenador de comunicação do Sindicato dos Professores e Pedagogos das Escolas Públicas de Manaus (Asprom Sindical), Lambert Melo, argumentando que o resultado dos exames positivos para coronavirus deixa claro como o risco iminente de contaminação no retorno às aulas presenciais, conforme determinação do Governo do Estado.

Lambert diz que esses professores contraíram o coronavírus apenas participando da chamada “jornada pedagógica” usada, segundo a Seduc, para fazer o planejamento do retorno presencial dos alunos e professores às salas de aula. “Se apenas participando dessas atividades os professores já foram contaminados, imagina com a volta às salas de aula?”, questiona.

Lambert disse ainda que nada foi feito para garantir a saúde de quem teve contato com esses professores que estão com o vírus. “O correto a ser feito era evitar que essas pessoas que tiveram contato com os professores tivessem contato com outros alunos, mas até agora nenhuma decisão foi tomada. Os professores só souberam que estavam contaminados porque, por vontade própria, decidiram fazer o exame” disse Lambert.

De acordo com Lambert Melo, o desamparo do Governo sustenta ainda mais a necessidade da greve instalada pela Asprom Sindical.

Greve

Na tarde dessa segunda-feira (10), a Asprom Sindical realizou uma assembleia geral para a instalação da greve na rede de Ensino por tempo indeterminado. O cientista do Instituto de Pesquisas da Amazônia (INPA), Lucas Ferranti, participou da assembleia e confirmou os riscos da volta das atividades escolares presenciais neste momento.

“Não é nem um pouco seguro voltar neste momento. Primeiro que Manaus está ainda em estado de transmissão comunitária do coronavirus, os próprios dados da FVS-AM mostram isso, uma vez em que os números de ocupação de leitos, o número de casos testados por dia e o número de mortes permanecem crescendo”, disse Lucas Ferranti.