Apresentadora trans denuncia produtor da TV Maskate por transfobia (ver vídeo)

Foto: reprodução

Um caso de transfobia causado por um produtor da TV Maskate foi denunciado pela mulher trans Ariana Paes, de 24 anos, que por incrível que pareça, apresentava um programa sobre pautas LGBTs na empresa. Um vídeo que repercutiu nas redes sociais, nessa quarta-feira (09), mostra uma discussão entre um produtor da TV e a apresentadora. No vídeo, o funcionário da TV fala que ela está proibida de usar o banheiro feminino. (veja vídeo no final da matéria).

Durante a discussão, o produtor pergunta a Ariana qual é o nome dela no RG e ela diz que “estou mudando agora”, em resposta o homem diz que “então quando você mudar, você pode usar”. Por fim, o homem ainda diz que “aqui quem faz a regra é a gente”.

O Radar entrou em contato com a Ariana e em entrevista ela explicou que foi chamada pela empresa para apresentar um programa sobre pautas LGBTs, mas que em uma das suas gravações levou convidadas trans que usaram o banheiro e o fato não teria agradado outros funcionários da empresa. De acordo com a jovem, os comentários foram feitos na frente das convidadas, causando ainda mais constrangimento.

“Eu chamei uma drag e uma trans para falar sobre a causa, elas usaram o banheiro e aí eu escutei depois comentários de funcionários falando que estava errado elas usarem o banheiro e chegou até mim essa história”, disse Ariana.

Em seguida, Ariana contou que após se sentir constrangida com a situação, conversou com a produção explicando que esse tipo de comportamento não seria ideal, considerando que a empresa pretende dar visibilidade ao público LGBT.

Transfobia

A apresentadora conta que houve um intervalo de duas semanas para gravar o terceiro programa e ao chegar no estúdio nessa quarta-feira (10), foi informada que a empresa chegou em um consenso de que as trans e drags não iriam poder usar o banheiro feminino.

“Eu disse que vou continuar usando porque sou uma mulher, mas ele disse que se eu continuasse usando os outros gays também iriam querer usar, mas eu falei que são lutas totalmente diferentes”.

Repressão

A cena compartilhada nas redes sociais gerou revolta nos internautas. Ariana conta que se sentiu reprimida e acredita que a TV Maskate quer levantar uma falsa bandeira.

“Eu me senti humilhada, usada, porque eles queriam só visualizações. Eles queriam levantar uma falsa bandeira, apenas para dizer que tinha uma apresentadora trans”, concluiu.

O Radar entrou em contato com a assessoria da TV Maskate para saber qual o posicionamento da empresa em relação ao caso mas até a publicação desta matéria não obteve resposta.