Aqui no Radar, tudo que se postar, a gente tem como provar, tá vereadora?

A vereadora Joana Darc (PR) não satisfeita em esculhambar seus colegas vereadores e depois fazer o papel de assediada moralmente – minha velha e sábia mãe dizia que quem fala o que quer, ouve o que não quer ou que quem não aguenta peia não se mete em briga –  agora decidiu puxar confusão com os blogueiros, a quem ela acusa de serem pagos pra lhe atacar. “São matérias que não têm credibilidade nenhuma, mas que possuem lado (quem pagar leva)”, diz a parlamentar.

No mesmo texto, a vereadora decide se concentrar em desmentir e desqualificar o Radar, mesmo sem citar o nome do site – nem precisa já que foi o Radar, assumidamente, quem mostrou a vereadora dando ordens pra gravar suas cenas chorosas e acusações de perseguição que foram parar em sua página no Facebook.

Escreve a vereadora Joana D’arc: “O conteúdo (do vídeo) é distorcido. Os vídeos começam a ser editados e até tentam convencer que uma frase foi dita por mim, em uma voz que toda certeza não é minha”. Em outras palavras, a vereadora acusa o Radar de cometer o crime de falsificar provas contra ela, distorcer o conteúdo de um vídeo e até mesmo manipular as imagens e colocar uma voz que não é sua”.

Então, como aqui no Radar tudo que se postar, a gente tem como provar, vamos mostrar para a nobre edil que ela esqueceu de apagar seus próprios rastros da encenação que criou. O trecho do vídeo que postamos na matéria intitulada “Vereadora é flagrada armando vídeo com acusação de assédio”, onde aparece a vereadora dando ordem aos assessores para gravar o que ela está fazendo porque “isso comove”, foi tirado de seu próprio Facebook.

Para provar, decidimos gravar um vídeo mostrando, na tela do computador, a página de Facebook da própria vereadora, desta vez sem qualquer edição. A vereadora, desde o momento em que se postou na tribuna manda um de seus assessores filmar: “filma aí”, determina ela. Ela repete de novo: “filma isso aí”. E, em determinado momento, ela se trai e diz “Filma, isso comove”. Qualquer pessoa, vai ouvir isso ser dito, no vídeo que continua postado no Facebook da vereadora, aos 2 minutos e quarenta segundos. Ou seja, não foi o Radar que gravou esse vídeo, apenas captou um vídeo gravado pela própria parlamentar. Então, como pode nos acusar de manipulá-lo?

Sabe gente, euzinha nem ia mais gastar “dedo” escrevendo sobre a “novela mexicana” chorosa da vereadora Joana D’arc, mas acusar o Radar de plantar mentiras e falsificar provas, isso ninguém vai fazer de jeito nenhum. E como não resisto a um trocadilho, meu nome é Any e não falsiane e se a vereadora Joana D’arc não controlar sua “fogueira” de vaidades e parar de falsear, pode se queimar. (Any Margareth)