Arthur se coloca contra as exigências de ministro de Bolsonaro

Mesmo após o Ministério da Educação (MEC) reconhecer que errou e retirou o pedido de que crianças fossem filmadas perfiladas nas escolas de todo o Brasil, sem autorização dos pais, durante execução do Hino Nacional, o prefeito de Manaus Arthur Virgílio Neto (PSDB), reafirmou que não mudará a política educacional do município em atenção a uma possível determinação do Governo Federal.

Nesta terça-feira (26), o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, encaminhou e-mail aos gestores das escolas em todo País orientando que no primeiro dia de volta às aulas os alunos fossem filmados cantando o Hino Nacional e entoassem o slogan de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PSL) – “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”. O vídeo deveria ser encaminhado ao Governo.

“Em Manaus, não obrigaremos nossas crianças a serem filmadas, sem autorização dos pais, perfiladas durante o hino nacional e obrigadas a ouvirem slogan de campanha eleitoral. Isso não é patriotismo. É uma patriotada! Vamos manter nossas crianças focadas no ensino”, disse Arthur, em texto publicado nas redes sociais.

Após polêmica, o MEC disse que enviará ainda nesta terça, uma nova carta para as escolas, com um pedido de cumprimento voluntário para que seja lida no primeiro dia letivo deste ano.

“Nós não voltamos atrás, nem retrocedemos na nossa política educacional que dá resultados efetivos. Respeitamos as crianças, as leis e seguimos focados na superação de metas na Educação municipal de nossa cidade”, finalizou o prefeito de Manaus.