Artur não aceita mais que Melo fique em cima do muro

Melo encima do muro (1)

Uma coisa ninguém pode dizer, que o prefeito Artur Neto (PSDB) não se empenhou com unhas e dentes – ou seria melhor dizer pedindo voto e usando a máquina pública? – para que o governador e candidato à reeleição, José Melo (PROS) não chegasse ao segundo turno das eleições para o Governo do Estado. Dias antes da votação do primeiro turno, Artur Neto começou a ser presença constante no horário de propaganda gratuita de Melo, e enquanto isso, em nenhum momento Melo pediu votos – pelo menos em frente às câmeras – para o presidenciável de Artur, o tucano Aécio Neves. Melo nem estava em Manaus quando Aécio esteve fazendo campanha por essas bandas. Artur suportou até mesmo “engolir sapo” em forma de críticas e comentários irônicos das lideranças nacionais do PSDB por ter feito o acordo com Melo para apoiá-lo em troca de palanque para seu presidenciável. Para muitos da cúpula do PSDB “o rei Artur levou foi pernada do vassalo” e outro disseram ainda entre risos que “o palanque para Aécio caiu antes de ser montado”.

E como não bastasse, em situações como a do município de  Manacapuru, onde o quadro era totalmente favorável a Braga até a última semana antes da votação do primeiro turno, Artur Neto se expôs até mesmo ao risco de cometer crime eleitoral e quem sabe até prejudicar sua reeleição diante de uma possível punição da Justiça Eleitoral por abuso de poder político e econômico ao mandar para Manacapuru máquinas da Prefeitura de Manaus para asfaltar a cidade, numa manobra de última hora para salvar o Governo de Melo que não fez isso, e diminuir a insatisfação dos eleitores de um dos maiores colégios eleitorais do interior do Estado.

Porém, no domingo mesmo, logo depois da votação de primeiro turno das eleições, durante entrevista coletiva para falar da eleição de seu filho, o deputado estadual Artur Bisneto como deputado federal, Artur Neto foi logo declarando que Melo tinha que assumir seu apoio a Aécio Neves, demonstrar logo de que lado está. Artur Neto, que é nada menos que o coordenador de Aécio Neves no Amazonas, ficou numa situação constrangedora porque ajudou Melo a chegar ao segundo turno, enquanto seu presidenciável teve uma votação pífia no Amazonas, perdendo até mesmo para a presidenciável Marina Silva (PSB/Rede) que nem passou para o segundo turno e ainda tinha contra ela propagandas contrárias como a do não licenciamento para asfaltamento da BR-319 quando era ministra do Meio Ambiente.

Mas, até agora, as cobranças de Artur não surtiram o menor efeito. Melo tem feito ouvido de mercador como fez durante todo o primeiro turno, de olho nos votos que teve dos eleitores do PT de Dilma Rousseff, o mesmo PT que já fez parte do seu Governo e do de Omar, cujo candidatos a deputados estaduais que “comeram no prato” de Omar (governador) deram sinais visíveis de trairagem, como por exemplo ficando na coligação de Braga, mas aparecendo no horário de propaganda sem pedir votos para o candidato ao Senado de Braga, o deputado federal Francisco Praciano, que não muito por acaso é do PT.

Mas, se depender e Artur parece que Melo vai ter que pular do muro. Resta saber pra que lado! (Any Margareth)