Artur Neto: reposição salarial dos professores é apenas de 9,28% e ainda a “conta-gotas” – 5% agora e 4,28% só em 2017

Bibiano e Artur

professores camaraJá se passou a data-base dos professores de Manaus, dia primeiro de maio, para reposição das perdas inflacionárias da categoria e nada do projeto de reajuste salarial chegar na Câmara Municipal de Manaus (CMM). O que se sabe, através dos vereadores da bancada governista, principalmente do líder do prefeito na Casa Legislativa, Elias Emanuel, é que o projeto do Executivo trará um reposição salarial de 9,28%, mas será parcelado, 5% agora e 4,28% somente em 2017. Essa anunciada decisão do prefeito Artur Neto tem provocado duras críticas da oposição na Câmara. “O prefeito (Arthur Neto) deveria cortar recursos com propaganda de sua auto-imagem e melhorar o salário dos professores”. A crítica foi feita pelo vereador professor Bibiano (PT), durante a sessão plenária, desta segunda-feira (06), na Câmara Municipal de Manaus (CMM), diante da manifestação de dezenas de professores que reivindicavam o pagamento do reajuste salarial proposto pelo Município de 9,28% em parcela única.

Bibiano voltou a criticar a morosidade da Prefeitura na aprovação do reajuste da categoria, uma vez que a data-base prevista no Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) dos professores para aumento salarial é primeiro de maio. “Já estamos caminhando para o mês de julho e até agora, nada do prefeito (Arthur Neto) enviar o Projeto de Lei do reajuste para aprovação na Câmara. Isso é um desrespeito para com a categoria”, frisa Bibiano.

A decisão da Prefeitura de conceder o reajuste conta-gotas para os professores é digna de reprovação, segundo ele, sobretudo porque o Executivo municipal tem priorizado desnecessariamente outras áreas, como é o caso da Comunicação. Nos últimos anos, foram cerca de R$ 200 milhões investidos pelo governo Arthur Neto com Publicidade.

“Não há desculpa para dizer que a Prefeitura não pode pagar esse reajuste da categoria em parcela única considerando esse valor milionário que vem sendo destinado para propaganda.  A prioridade do prefeito (Arthur Neto) é apenas com a promoção da imagem dele mesmo e não com um reajuste digno para os professores”, rechaça o parlamentar, o qual destaca ainda: “não falo na condição de vereador apenas porque o mandato foi outorgado a mim por um determinado período e sim, na condição de professor porque esta é minha profissão e ao sair do parlamento, retornarei à sala de aula com muito orgulho, pois terei combatido o bom combate em favor dos trabalhadores”.

Segundo o vereador, a construção de uma sociedade justa, digna e que valorize a dignidade humana perpassa pela valorização da educação, em especial dos professores. Conforme ele, “se não defendermos os professores, estaremos virando as costas para uma sociedade melhor porque são eles que têm a missão de ensinar os nossos filhos”. “Infelizmente, essa pecha de não defender os professores recai sobre os políticos, porém, eu não quero levar essa imagem de alguém que não pode usar a tribuna da Câmara para fazer a defesa da categoria”, enfatizou.