As “espadas” sobre a cabeça de Wilson Lima

As notícias que chegam ao Radar levam a crer que há espadas sobre a cabeça do governador Wilson Lima, fazendo uma analogia com a expressão “espada de Dâmocles” que originou-se de uma antiga parábola moral, popularizada pelo filósofo romano Cícero e que trata sobre o perigo iminente que ronda os que estão no poder como se fosse uma espada afiada sobre suas cabeças.

Entre as “espadas” que podem fazer cabeças – não só a do governador – rolarem no Amazonas estão os presos da segunda fase da Operação Sangria que, na segunda-feira passada (12), tiveram as prisões temporárias prorrogadas por mais cinco dias.

Por essa decisão continuam na cadeia, o ex-secretário de Saúde do Amazonas, Rodrigo Tobias, a ex-secretária executiva de saúde da capital, Dayana Priscila de Souza Mejia; o engenheiro clínico Ronald Gonçalo Caldas Santos, e os empresários Luiz Carlos Avelino Júnior, esposo da ex-secretária de Comunicação do Estado, Daniela Assayag e Gutemberg Leão Alencar, capitão da reserva da Policia Militar que teria coordenado a campanha no interior do então candidato e agora governador Wilson Lima.

Nas investigações, Gutemberg Alencar é apontado como o operador do esquema da compra de “respiradores” – na verdade, ventiladores – pulmonares superfaturados, de uma loja de vinhos. Tudo feito a mando do próprio governador, segundo o que está escrito nas páginas do processo no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Informações que chegam ao Radar, apontam que a “espada” de Rodrigo Tobias já está prestes a cair sobre a cabeça de Wilson Lima. O ex-secretário já teria delatado todos os esquemas do governo de Wilson Lima na saúde do Amazonas. O mesmo, já teria feito a ex-secretária de executiva de saúde da capital, Dayana Mejia. “Eles não aguentaram a pressão e entregaram o serviço todo”, conta uma fonte ao Radar.

Coincidências a parte, bom lembrar que foi a “espada” do ex-secretário de saúde do Rio de Janeiro, o tenente-coronel da PM, Edmar Santos que caiu sobre a cabeça do governador, Wilson Witzel. O ex-secretário foi parar na cadeia acusado por inúmeras falcatruas na saúde pública do Rio de Janeiro em plena pandemia de coronavirus. Apontou sua “espada” suja de corrupção para Witzel e entregou provas que levaram a queda do governador do Rio de Janeiro.

Quem estaria aguentando pressão mesmo indo parar na cadeia por causa das supostas falcatruas na saúde pública do Amazonas, também com recursos que seriam destinados à pandemia, é outro PM, só que este é ligado ao governo de Wilson Lima, o capitão da reserva da PM Gutemberg Alencar. “Mas chegou agora o momento de acareações (confrontar um acusado com outro) onde vai aumentar o aperto”, comenta a fonte. Será que o “homem de confiança do governador” como é descrito nas investigações da Polícia Federal (PF), vai continuar aguentando a pressão dos federais sem entregar ninguém? Isso só o tempo dirá!

Mas existe uma espada mais perigosa que todas as outras sobre a cabeça de Wilson Lima. É a espada de seu vice, Carlos Almeida, que segundo ele mesmo contou em uma nota de esclarecimento pública, após ser um dos alvos de busca e apreensão na segunda fase da Operação Sangria, esteve de “forma voluntária na DPF (Delegacia de Polícia Federal)” para prestar esclarecimentos.

Sabe-se lá o que disse Carlos Almeida na Polícia Federal (PF) mas, levando-se em consideração o que diz sobre o governo na nota, num pode ter sido nada de bom. “Justamente por não concordar com os rumos da atual administração que me desliguei da Casa Civil no início de maio deste ano”, diz Carlos Almeida jogando Wilson Lima no fogo, sozinho.

Esta “espada”, segundo a fonte, é a que mais pesa sobre a cabeça de Wilson Lima porque conhece as entranhas do governo. “E ele (Carlos Almeida) já sabe que tem que salvar a si mesmo porque tão querendo fazê-lo de bode expiatório de um governo desastroso, cheio de negociatas, que tem uma rejeição nunca vista na história desse Estado”, opina a fonte.