Assessores de David Reis caem no pagode e praticam o que David Almeida chama de ‘crime’ (ver vídeos)

Os organizadores da festa são da cúpula do vereador David Reis, aliados do prefeito de Manaus, David Almeida

pagode david reis

Foto: Reprodução

Com direito a canção religiosa “derrama Senhor” em ritmo de muito pagode e forró, o último final de semana dos assessores do presidente da Câmara Municipal de Manaus (CMM), vereador David Reis (Avante), filho do secretário municipal de Obras, Sebastião Reis, ambos correligionários políticos do prefeito de Manaus, David Almeida, inclusive do mesmo partido, teve muita farra e aglomeração.

Após o prefeito de Manaus interpelar de forma ofensiva a equipe de reportagem do Radar que questionou a falta de estrutura, o desrespeito às medidas sanitárias contra a Covid-19 e o tratamento que poderia ser considerado até desumano para com pessoas doentes que foram ao Centro de Testagem implantado no Vasco Vasques, seguidores do Radar fizeram denúncias sobre o que eles chamam de “Bonde dos Reis”, fazendo festas em pleno período de elevação de casos e contágio de Covid-19, o que o prefeito classificou de “crime”.

Segundo a denúncia, a festa para mais de 50 pessoas, foi organizada por ninguém menos que o Diretor Geral da Câmara Municipal de Manaus e por um assessor direto de David Reis na CMM, na comunidade Bairro do Céu, no Centro de Manaus.

A festa teve muito pagode, cerveja e nenhuma medida sanitária, nem álcool em gel e muito menos máscara. No local, também estavam presentes os organizadores do evento e assessores diretos de David Reis, um deles é denominado na denúncia de “assessor 01” do presidente da CMM, Daniel Vilaça e outro que os denunciantes disseram ser Diretor Legislativo da CMM, Adonay Paes Barreto, mas está no site da Casa Legislativa ocupando atualmente o cargo de diretor-geral da CMM.

E agora, David?

Nessa quarta-feira (19), durante a entrevista coletiva na inauguração do Centro de Testagem no Vasco Vasques, após ser questionado pela reportagem do Radar, sobre a péssima organização e aglomeração intensa no local, David Almeida afirmou: “Crime é ficar na fila em mesa de bar, crime é ir para o pagode, você tinha que pegar uma matéria dessa e ir na Arena da Amazônia que tinha 50 mil pessoas, nas festas que foram feitas”.

O prefeito de Manaus visivelmente irritado preferiu ficar apontando culpados em festas que causam aglomeração do que assumir os erros na sua política de saúde pública e, logicamente, ajustar as ações e resolver os problemas.

Dando voz aos questionamentos feitos pelos cidadãos de Manaus que enviaram a denúncia, “será que David Almeida vai cobrar de seus aliados políticos, de forma tão irritadiça como fez com o Radar, a responsabilidade por cometerem o que ele classificou de “crime”?

Confira os vídeos da festa