Associação repudia fake news de Ronaldo Tiradentes contra promotor de Justiça

Ronaldo acusou o promotor Rafael Del Castillo de usar a sua influência para conseguir um emprego para a esposa, Débora de Mello, em Coari

associação tiradentes

Foto: Reprodução

A Associação Amazonense do Ministério Público (AAMP) emitiu uma nota de repúdio contra o radialista Ronaldo Tiradentes por espalhar fake news contra o promotor de Justiça, Rafael Del Castillo, em seu programa veiculado na Rede Tiradentes.

Na ocasião, Ronaldo acusou o promotor de usar a sua influência para conseguir um emprego para a esposa, a médica Débora de Mello Cardoso, em Coari, distante a 363 quilômetros de Manaus em linha reta, e que os funcionários públicos estão subordinados ao ex-prefeito Adail Pinheiro.

“Os comentários do apresentador são inverdades propaladas sem nenhum princípio ético e tão pouco jornalístico, calçadas em fonte de duvidosa credibilidade, com o objetivo de atacar a seriedade e a idoneidade do trabalho do Ministério Público do Amazonas em Coari, e, por isso, merecem ser repudiados veementemente”, diz a nota assinada pelo promotor de Justiça Alessandro Samartin de Gouveia, presidente da AAMP.

Vale ressaltar que Ronaldo é tio do candidato Robson Tiradentes Jr. (PSC), que perdeu a eleição suplementar de Coari para Keitton Pinheiro (Progressistas).

A AAMP explicou que a esposa do promotor Rafael Del Castillo foi selecionada pelo programa do Governo Federal Mais Médicos- Covid (veja no final da matéria), e não pela Prefeitura de Coari, como veiculado na Rede Tiradentes. Débora de Mello Cardoso foi integrada ao programa em janeiro de 2021 e permaneceu até julho para atender àqueles que necessitavam de atendimento médico no interior no momento mais crítico da pandemia.

“A propagação de fatos falsos, não checados e devidamente apurados implica na ofensa da honra de pessoas e de servidores públicos honestos e dedicados, que trabalham pelo bem de toda a sociedade. O comentário do apresentador revela manifestação de juízo de valor que distorce a verdade e falseia a realidade, incompatível com o que se espera de um veículo sério de comunicação”, conta outra parte da nota de esclarecimento. Para eles, o jornal não checa “a veracidade das notícias que apresenta” e que faz uso de Fake News”, reitera.

Preconceituoso

A associação também entendeu que Ronaldo Tiradentes foi misógino e preconceituoso contra o promotor e sua esposa.

“Haja vista que insinua que caberia ao marido autorizar a esposa exercer ou não sua profissão, mesmo tendo sido legal e constitucionalmente selecionada pelo Governo Federal, no Programa Mais Médicos, a partir de sua capacidade técnica e profissional. E isso é digno de absoluto repúdio”, ressaltou a entidade.

“Todas as notícias de irregularidades praticadas por agentes políticos de Coari, inclusive as atinentes a concursos públicos, são investigadas em absoluta consonância com as normas e regras regulamentares que pautam a atuação extrajudicial do Ministério Público, inexistindo um único procedimento apuratório que não receba o devido e adequado andamento oficial”, informou.

A AAMP informou que adotará as medidas administrativas e judiciais necessárias contra Ronaldo Tiradentes.

Confira a nota na íntegra

Resulta preliminar Mais Médicos-Covid