Ataque aos saium-de-coleira: Reintegração de posse deixa visível crime ambiental

O que era pra ser uma reintegração de posse na comunidade Vila das Torres, no Beco Maranhão Sobrinho, no Aleixo, onde cerca de 300 famílias ocupavam a área, deixou visível a ocorrência de crime ambiental em habitat natural do sauim-de-coleira, animal símbolo da cidade de Manaus, cujo dia é comemorado em 24 de outubro.  A reintegração de posse começou nessa quarta-feira (21) com a presença de pelo menos seis viaturas da Polícia Militar (PM), retirando os ocupantes da área e derrubando as casas. Só que o empresário dono do terreno – segundo informações repassadas ao Radar as terras são da Construtora Engeco – decidiu continuar derrubando tudo nesta quinta-feira (22), inclusive a mata nativa, onde mesmo num olhar rápido dava pra identificar a presença de vários animais da espécie sauim-de-coleira.

Biólogos da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) contactados pelo Radar afirmaram que a área está dentro do corredor de preservação da espécie sauim-de-coleira. E o crime ambiental aconteceu mesmo com a presença maciça da Polícia Militar do Amazonas e, segundo informações repassadas ao repórter do Radar por policiais militares, o batalhão ambiental já tinha estado no local no momento da reintegração de posse e, por algum motivo não coibiu o crime ambiental.

O delegado da Especializada em Crimes Contra o Meio Ambiente e Urbanismo, Herbert Lopes (Dema), quando contactado pela reportagem do Radar, mostrou desconhecimento do que estava acontecendo na área, dizendo que já “havia um procedimento de apuração de crime ambiental”, só que os acusados do crime ambiental seriam os denominados invasores do terreno”. O delegado, inclusive, confirmou que o batalhão ambiental já tinha estado na área, mas não soube dizer porque ele não tomou as providências para impedir a derrubada da mata pelo trator.

De acordo com um dos ocupantes das terras, a reintegração de posse começou quando eles foram acusados de estar desmatando a área, mas segundo ele, em nenhum momento ocorreu tal atitude por parte dos moradores da comunidade.  “Nós não temos nem casa para morar, quanto mais dinheiro para contratar uma retroescavadeira dessas para desmatar a área”, disse indignado, um dos manifestantes.

O Radar entrou em contato também com o secretário municipal do Meio Ambiente, Nelson Junior, repassando fotos e imagens do que estava ocorrendo na área. A resposta foi de que uma equipe de fiscalização estava se deslocando para o local, mas a equipe não apareceu.

Depois de horas do Radar transmitindo ao vivo do local e mostrando a destruição do meio ambiente pela retroescavadeira, o batalhão ambiental chegou no local e fez a máquina parar, detendo o operador da máquina.

A reportagem do Radar ficou sabendo que após a chegada do Batalhão Ambiental esteve na área um representante dos donos das terras, um engenheiro da Engeco, que foi notificado a comparecer para prestar esclarecimentos na Dema.

Sauim-de-coleira

O pequeno macaco, da espécie Sauim-de-coleira é considerado símbolo de Manaus. Ameaçado de extinção, a espécie é protegida por Lei Municipal, criada em 2018, que prevê, entre outras medidas, a proteção, o monitoramento e a fiscalização ambiental contínua e compartilhada da Área de Proteção Ambiental Sauim-de-Manaus, criada através do mesmo decreto.

De acordo com especialistas, a população dessa espécie de primata foi reduzida em pelo menos 80% devido ao crescimento urbano da cidade.