Atlético-MG vence o Inter por 1 a 0 em BH e dispara no topo da Série A

Foto: Ricardo Duarte/Ibnternacional

Um jogo sem muita inspiração, mas um resultado que dá fôlego enorme ao Atlético-MG. Na noite deste sábado (2), o Galo venceu o Internacional por 1 a 0, no Mineirão, e chegou a 49 pontos no Campeonato Brasileiro, seguindo com boa gordura na liderança da competição mais importante do país. Com o apoio de pouco mais de 7 mil torcedores, o time alvinegro também colocou pedra no luto pela eliminação recente nas semifinais da Libertadores. O gol foi anotado por Keno, aos 33 minutos da segunda etapa.

O próximo duelo do Galo, que agora acumula 15 jogos de invencibilidade na Série A, será na quarta-feira (6), contra a Chapecoense. A partida está marcada para 19h (de Brasília), na Arena Condá. O Inter, por sua vez, terá pela frente o Ceará, no mesmo horário, mas no Castelão.

REENCONTRO COM A TORCIDA

Apesar de já ter contado com o apoio dos torcedores nas quartas e nas semifinais da Libertadores, o Galo quebrou hiato de quase 670 dias sem a presença da Massa em jogos do Brasileiro. A última vez havia sido em 4 de dezembro de 2019, na vitória por 2 a 0 sobre o Botafogo, na penúltima rodada da competição daquele ano.

 

QUEM FOI BEM: EVERSON E ARANA

Com excelentes defesas nos dois tempos, o goleiro atleticano foi, talvez, o melhor em campo na noite deste sábado no Mineirão. O lateral esquerdo, por sua vez, novamente se mostrou bem aguerrido e, na despedida antes de se apresentar à seleção, também fez bom jogo.

QUEM FOI MAL: NACHO

O argentino, cérebro do Galo, não teve noite feliz no Gigante da Pampulha, atuando com pouca inspiração. Aos 30 do segundo tempo, acabou substituído por Tchê Tchê.

ATLÉTICO-MG SOFRE PARA ACHAR ESPAÇO ‘POR DENTRO’

O time de Cuca teve problemas para criar chances de gol no primeiro tempo. Exceto por um chute de Sasha, da frente da área, o Atlético-MG sofreu para encontrar espaços pela zona central. E quando encontrou, até conseguiu triangulações rápidas. Os passes de primeira, no entanto, sempre pararam pouco antes da grande área. Pelos lados, Arana e Mariano foram acionados algumas vezes. Ainda assim, nenhuma grande oportunidade surgiu.

INTER MONTA CONTRA-ATAQUE COM TRIO

A postura do Internacional no início do jogo foi de marcar o Atlético-MG até mesmo no campo ofensivo. A pressão ajudou a criar um cenário de maior competitividade no duelo. Mas a estratégia colorada real era fechar a linha de passe do Galo e aproveitar os erros para contra-atacar. As duas grandes oportunidades da etapa inicial nasceram assim. Em ambas, Yuri Alberto finalizou e Éverson espalmou.

NACHO CHEGA A PROCURAR O RESTO DO TIME

Uma cena, na metade do primeiro tempo, resume o que foi boa parte da atuação do Galo. Ao receber a bola perto da lateral direita, no ataque, Nacho Fernández levantou os braços e pediu aproximação dos companheiros. O argentino acabou sendo alvo de uma falta e, na sequência, fez cobrança ao time. A distância entre as peças ajudou no jogo ofensivo fraco.

CUCA MUDA ESQUEMA

Vendo que o time não estava rendendo o esperado, Cuca mexeu no esquema do Atlético-MG, colocando Savarino e Keno em campo, e sacando Sasha e Jair.

PRIMEIRA GRANDE CHANCE

A primeira oportunidade real do Atlético-MG de abrir o placar contra o Internacional aconteceu aos 29 minutos do segundo tempo. Keno, oportunista, aproveitou cruzamento, escorou para o gol, mas viu a bola caprichosamente passar rente à trave de Daniel.

VALEU A INSISTÊNCIA E A ASSISTÊNCIA

Três minutos depois, aos 32, após grande jogada de Hulk, o camisa 11 estufou a rede e correu para o abraço. Ele só teve o trabalho de dar o tapa na bola e deslocar o goleiro do Colorado. Além de dar a vitória ao Galo, Keno fez o gol 100 do time mineiro no Brasileirão por pontos corridos.

ATLÉTICO-MG: Éverson; Mariano (Guga), Nathan Silva, Junior Alonso e Guilherme Arana; Jair (Keno), Allan, Zaracho e Nacho Fernández; Eduardo Sasha (Savarino) e Hulk. Técnico: Cuca

INTERNACIONAL: Daniel; Saravia, Bruno Méndez, Cuesta e Moisés; Rodrigo Dourado (Guerrero), Rodrigo Lindoso, Edenilson, Taison e Patrick; Yuri Alberto. Técnico: Diego Aguirre

Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira (SP)
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa (ambos de SP)
VAR: José Claudio Rocha Filho (SP)
Cartões amarelos: Zaracho (CAM) Arana e Nacho; Rodrigo Dourado e Victor Cuesta (INT)
Gol: Keno, aos 32 minutos do segundo tempo, para o Atlético-MG
Público: 7.166 presentes
Renda: R$ 355.804,00