Anúncio Advertisement

Audiência Pública: comissão institucional vai avaliar o sistema do esgoto sanitário de Maués

maués 21

maués 22

A criação de uma Comissão Institucional para fazer um estudo técnico
do Sistema de Tratamento de Esgoto de Maués, a possível interrupção do
sistema, punição para os ex- administradores e um plano de inclusão
para os catadores de resíduos sólidos foram as principais propostas
extraídas da Audiência Pública realizada na última sexta-feira (27) no
município.
A audiência atendeu ao pedido do prefeito Pe. Carlos Góes (PT) que
reuniu o Deputado Estadual Luiz Castro (PPS), presidente da Comissão
de Meio Ambiente da ALEAM, a Procuradora Chefe da 11ª Região do
Ministério Público do Trabalho Alzira Costa, o Superintende da Funasa,
Gedeão Amorim, o Secretário Executivo da SDS, Adailton José,
Francielio Araújo técnico do IPAAM, SEDEMA, SAAE, Câmara Municipal e
Associação dos Catadores de Resíduos Sólidos.
A Comitiva conheceu o desastroso projeto do sistema de esgoto
instalado atrás do aeroporto, o lixão e as instalações do aterro
sanitário que nunca funcionou.
A parte mais polemica da audiência recaiu sobre a possível
irregularidade ou omissão da Funasa durante o tempo de execução da
obra. A população manifestou que as obras não foram realizadas a
contento e cobraram punição para os gestores que antecederam o
prefeito Pe. Carlos.
Para o prefeito, resolver o problema do esgoto e resíduos sólidos
aliviará o sofrimento de 60 mil habitantes. “Precisávamos de parceiros
e encontramos. Quando temos que onerar despesas para pagar os erros do
passado é doloroso e não dá para esconder porque estamos falando de
dinheiro público”, disse Góes. O prefeito informou que já está sendo
providenciada a construção da cerca do lixão e assegurou apoio aos
catadores.
A parceria das instituições será fundamental para encontrar a solução,
afirmou o Deputado Luiz Castro.  “Vamos ter passos a serem dados não
dá para tomar uma decisão imediatista no que se refere ao esgoto. O
importante é de que daqui para frente tudo deve ser diferente e
precisa da ajuda do estado e da união”, disse o deputado. Ele destacou
que os catadores simbolizam o resgate de uma categoria que está sendo
valorizada pelo social e ambiental.
Envolvida com as causas sociais a Procuradora do Ministério Público
do Trabalho Alzira Costa, propôs contribuir com a Prefeitura e
especialmente com a Associação dos Catadores de Resíduos sólidos
criando um plano de inclusão. “Avalio positiva a audiência porque o
gestor mostra boa vontade de incluir os catadores na coleta seletiva.
Já há uma organização da associação, mas avança porque encontra nas
instituições parceiros na luta para principalmente erradicar o
trabalho infantil”, declarou.
O novo Superintendente da Funasa Gedeão Amorim disse que antes de vir
a Maués observou os documentos da época. “Tive o cuidado de olhar o
projeto onde começou e terminou e meu olhar foi sobre documento e ali
a obra está concluída e apta a funcionar”, informou. Gedeão disse que
a Funasa deu um laudo informando sobre o nível de tratamento da agua
que seria de 80% limpa devolvida ao rio. Afirmou ainda que a Funasa
não possui recursos para reparar os erros da obra, mas pode contribuir
na captação de novos investimentos.