Aumento da passagem de ônibus não leva em conta o aspecto social, avalia Alessandra Campêlo

ALESSANDRA 28 capa

A deputada estadual Alessandra Campêlo (PMDB) manifestou posição contrária ao aumento da tarifa de transporte coletivo concedido pelo Tribunal de Justiça do Amazonas na última semana.

“Sou totalmente esse aumento da tarifa, pois o tribunal se baseou somente na questão legal e não levou em conta o aspecto social nesse momento de crise”, comentou a deputada na sessão desta terça-feira, 28 de junho, na Assembleia Legislativa do Amazonas.

A parlamentar também criticou o serviço oferecido pelas empresas aos usuários para criticar o acréscimo de R$ 0,54 na tarifa que custava R$ 3.

“As empresas oferecem uma frota sucateada, não existem paradas de ônibus suficientes e adequadas, os terminais estão deteriorados ou com reformas atrasadas e as pessoas andam apertadas como sardinha em lata nos coletivos. Isso é um absurdo”, afirmou Alessandra.

A deputada disse que está torcendo para que o prefeito Artur Neto (PSDB) cumpra o compromisso de não conceder o aumento pedido pelas empresas do sistema.

Terceirização na saúde e violência contra a mulher

A deputada também repercutiu a notícia de que o Ministério Público Federal do Amazonas (MPF/AM) recomendou ao Governo do Estado o adiamento do reordenamento da rede pública de saúde por 90 dias. As medidas que já estão em implementação pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam) pretendem economizar R$ 316 milhões.

Alessandra acrescentou que o maior problema de saúde no momento é o excesso de terceirização na administração pública.

A parlamentar também comentou sobre o aumento da violência contra a mulher na capital, citando o assassinato de uma dona de casa no Bairro da Paz pelo próprio companheiro e a brutal agressão de um suposto professor de jiu-jítsu contra sua namorada grávida de gêmeos na Praça 14. Todos os casos serão acompanhados pela Comissão da Mulher da ALE-AM.

“É lamentável que, em pleno século 21, as mulheres ainda sejam vítimas de tamanha violência”, disse Alessandra, pedindo apoio dos deputados para emendas à LDO no qual solicita mais recursos para investimentos nas delegacias da mulher e nas políticas públicas de proteção e combate à violência contra a mulher.