Aumento de casos de Covid causa engarrafamento de quase 300 navios no maior porto da China

Tentando evitar atrasos na entrega de mercadorias, embarcações estão desviando rota para Xangai. Especialistas dizem que pode haver reflexos em EUA e Europa

Aumento de casos de Covid causa engarrafamento de quase 300 navios no maior porto da China

O porto de águas profundas de Yangshan em Xangai, China – Foto: Qilai Shen / Bloomberg

Tentando evitar atrasos na entrega de mercadorias devido a suspensão de serviços de transporte em algumas regiões da China por causa do aumento de casos de Covid-19, embarcações estão se dirigindo direto para Xangai, causando um congestionamento de quase 300 navios no maior porto de contêineres do mundo.

Os navios também estão sendo redirecionados para Xiamen, no Sul do país, mostraram dados da Bloomberg.

A afluência de navios em Xangai atrasou os horários de navegação dos navios porta-contêineres em cerca de uma semana, disseram as fontes.

Essa dilatação de prazos podem se espalhar para atracagens já atrasadas nos Estados Unidos e na Europa, afirmam essas fontes.

“A questão do congestionamento portuário continuará a impactar os ciclos de reabastecimento neste trimestre, juntamente com o avanço da Ômicron e os iminentes fechamentos do Ano Novo Chinês na China”, disse Josh Brazil, vice-presidente de insights da cadeia de suprimentos da empresa de inteligência logística Project44.

As empresas de transporte marítimo estão fazendo a mudança de rota na China para evitar atrasos na cidade vizinha de Ningbo, que suspendeu alguns serviços de transporte rodoviário perto desse porto após um surto de Covid-19, de acordo com especialistas.

Esses desvios estão aumentando a nova onda de congestionamentos enfrentados pelos portos da China, à medida que um número crescente de cidades lida com surtos da doença.

Os testes rigorosos de trabalhadores e caminhoneiros antes do feriado do Ano Novo Lunar, comemorado  no fim deste mês, estão se acirrando ainda mais as cadeias de suprimentos já tensas à medida que a pandemia entra em seu terceiro ano.

No centro de tecnologia do país em Shenzhen, no Sul do país, a realizção de testes de moradores e caminhoneiros para conter um surto de Covid resultaram numa fila de navios no porto.

Isso fez com que o terminal de Shekou começasse a restringir a aceitação de mercadorias, o que significa que, a partir de sexta-feira, os contêineres cheios só podem ser transportados em três dias antes da chegada dos navios, disse o operador do terminal.

Enquanto isso, a cidade de Tianjin, no Norte da China, ordenou que os trabalhadores fizessem uma pausa de meio dia para realizar testes de Covid, numa tentativa das autoridades de conter o espalhamento da variante Ômicron.

A capacidade de transporte por caminhão é estimada em metade dos níveis normais, e os motoristas devem ser testados diariamente antes de entrar no porto, explicou Alex Hersham, CEO da empresa de frete digital Zencargo.

O surto de Covid chegou também à cidade portuária de Dalian, com duas pessoas que viajaram de Tianjin para lá confirmadas como tendo a variante Ômicron.