Autoexame pode prevenir câncer de boca, alerta CRO-AM

PREVENÇAO CRO

O câncer de boca (cavidade oral) está entre os 18 tipos de neoplasias mais comuns que atingem a população do Amazonas, sobretudo os homens, de acordo com dados no Instituto Nacional de Câncer (Inca). Os sintomas da doença podem ser identificados de forma oral, ou seja, vistos pelo próprio paciente ou numa visita de rotina a um cirurgião-dentista.

De acordo com estatísticas do Inca, no Amazonas, o câncer de cavidade oral deve atingir cerca de 80 pessoas neste ano de 2014. Do total, 60 homens e 20 casos de mulheres, a maioria na capital.

Dentre os sintomas está o aparecimento de feridas na boca que não cicatrizam em uma semana, segundo explica a cirurgiã-dentista Maria da Conceição Fernandes Picanço, presidente em exercício do Conselho Regional de Odontologia do Amazonas (CRO-AM).

Ela destaca que, neste ano, a Câmara Federal, aprovou o projeto de Lei que institui a Semana Nacional de Prevenção do Câncer Bucal. O evento será celebrado todos os anos na primeira semana de novembro.

Anualmente, o CRO-AM realiza ações de conscientização sobre a doença, como forma de incentivar para que a população faça o autoexame da boca e consulte um cirurgião-dentista pelo menos uma vez ao ano. “Os sintomas do câncer de boca podem ser identificados pela própria pessoa numa visita de rotina com um cirurgião-dentista. Mas é importante que as pessoas tenham esse hábito de fazer o autoexame sempre”, disse Conceição.

Conceição Picanço ressalta que outros sintomas também podem identificar o problema, como feridas superficiais, com menos de dois centímetros de diâmetro, indolores (podendo sangrar ou não) e manchas esbranquiçadas ou avermelhadas nos lábios ou na mucosa bucal. Ela destaca também a dificuldade para falar, mastigar e engolir, além de emagrecimento acentuado, dor e presença de linfadenomegalia cervical (caroço no pescoço).
Como fatores de risco para a doença, ela destaca a idade superior a 40 anos, vício de fumar cachimbos e cigarros, consumo de álcool em excesso, má higiene bucal e uso de próteses dentárias mal-ajustadas. “Essa questão da higiene bucal é muito importante, porque é algo que a pessoa pode prevenir e são hábitos que a gente apreende desde a infância e leva para a vida adulta”, destacou.

Ela ressalta que os exames rotineiros podem diagnosticar lesões no início, antes de se transformarem em câncer. “Pessoas com mais de 40 anos que fumam e bebem devem estar mais atentas e ter sua boca examinada por profissional de saúde (dentista ou médico) pelo menos uma vez ao ano”, disse.

A cirurgia e/ou a radioterapia são, isolada ou associadamente, os métodos terapêuticos aplicáveis ao câncer de boca. Para lesões iniciais, tanto a cirurgia quanto a radioterapia tem bons resultados e sua indicação vai depender da localização do tumor e das alterações funcionais provocadas pelo tratamento (cura em 80% dos casos).