Bancada oposição na Aleam não acredita em “choro” de falta de dinheiro do Governo

A bancada de oposição ao Governo do Estado no Legislativo estadual vem demonstrado visivelmente que não acredita no discurso de falta de recursos feito pelo Executivo estadual. Os deputados querem que secretários de Amazonino, como por exemplo, Alfredo Paes, da Fazenda, vão até o plenário para, segundo ele, mostrarem dados financeiros que ratifiquem o que falam de que é necessário aperto financeiro para manter as contas equilibradas

Na semana passada, foi apresentado um requerimento à Mesa Diretora daquela Casa Legislativa, de autoria do deputado Platiny Soares, solicitando entre outras coisas que sejam dadas informações a respeito da arrecadação do Estado e o percentual gasto com pagamento do funcionalismo público em relação aos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal.

De acordo com o parlamentar, esta é uma obrigação passível de sanção, em relação ao não comparecimento desses secretários, na Assembleia. “Na ultima quarta (20), no plenário, provamos por A + B que o Estado em 2018, tem excesso na arrecadação e que tem saúde financeira suficiente para pagar a Data-Base dos policiais e dos bombeiros militar”, destacou Platiny Soares durante discurso.

O parlamentar lembrou ainda o início das negociações, onde as reuniões estavam sendo feitas a portas fechadas. “Hoje, o Estado tem capacidade financeira pra isso e por birra, o governador Amazonino Mendes negociou uma data-base de migalhas de apenas 4,08% para a segurança pública, com reunião sendo feita dentro da cozinha da sua casa, fazendo acordão com falsas representações que não levaram a reivindicação que a tropa esperava”, ressaltou Platiny Soares.

Para o deputado estadual, o argumento de que o Estado não possui dinheiro suficiente é algo leviano, já que o governador está contratando servidores temporários sem processo seletivo, está fazendo dispensa de licitações e mostrando ainda o seu ‘poder financeiro’, com a contratação de consultoria de segurança no valor de R$ 5 milhões.

“Nós já fomos enganados nessas reuniões e assim passamos um longo período amargando prejuízos. Hoje, a polícia e bombeiros, vivem a realidade de três anos de atrasos na Data-Base e o governador tem a indecência de mandar apenas 4% como proposta de recomposição”, finalizou Platiny Soares.

Fonte: Assessoria de imprensa do deputado