Banco Mundial corta previsão do PIB brasileiro para 1,2% em 2018

A desaceleração da economia brasileira, que contribui com mais de um terço do PIB (Produto Interno Bruto) da América Latina e do Caribe, é um dos entraves para o crescimento da região em 2018, apontou o Banco Mundial em relatório.

A instituição reduziu suas projeções para o PIB do Brasil de 2,4% neste ano para 1,2% e de 2,5% em 2019 para 2,2%.

“A persistência de grandes e aparentemente intratáveis déficits fiscais, a falta de uma reforma previdenciária significativa e a crescente incerteza política sobre as eleições de outubro, em conjunto com a recente apreensão no mercado internacional, colocaram em questão mesmo esse crescimento modesto”, diz o relatório da instituição.

“Estamos sempre dispostos a trabalhar com o governo que for eleito”, disse Carlos Vegh, Economista-Chefe do Banco Mundial para a América Latina e o Caribe.

Ele ressalta que, independentemente de quem assuma, precisará ser feito um ajuste fiscal importante e amplo. “O governo brasileiro gasta 12% do PIB em pensões, enquanto países comparáveis, como Chile e Peru, gastam 2%.”

Além do ritmo econômico fraco no Brasil, a piora generalizada no cenário global, a crise macroeconômica na Argentina e a contínua deterioração da situação na Venezuela fecham o quadro que levou à redução da expectativa de crescimento do bloco América Latina-Caribe para 0,6% em 2018 e 1,6% em 2019 –em abril, as previsões eram de 1,8% e 2,3%, respectivamente.

Fonte:  Folhapress.