Bandido bom é bandido morto! Mas qual é o bandido mesmo, hein?

Nem sei quando ouvi pela primeira esta frase: Bandido bom é bandido morto! E olha que lá se vão mais de trinta anos como repórter! Escutei isso ser dito inclusive por jornalistas e, pasmada, vi essa frase ser repetida por operadores do Direito, aqueles que juram sobre a Bíblia respeitar piamente a Constituição da República e o Estado Democrático de Direito, onde fica previsto a presunção da inocência, até que se prove que alguém é culpado, e onde está determinado que todo réu terá direito à defesa e a um julgamento justo.

Nesta terça-feira, 4 de janeiro, essa frase foi dita novamente em grupos de WhatsApp, em sua maioria de policiais, comentando a morte do jovem Antônio Carlos Fernandes, de 20 anos, morador de uma ocupação de terra no Tarumã – quem não sabe o que é não ter onde morar chama de invasão. A família e os moradores da área dizem que os policiais executaram a tiros o rapaz e a versão da polícia é de que o jovem teria morrido de um “mal súbito”, algo como um “ataque (cardíaco) fulminante. O laudo inicial da perícia técnica do Instituto Médico Legal (IML) confirmou que Antônio Carlos foi morto a tiros, desmentindo a versão do aparelho de segurança pública.

Mas, afinal, de que bandidos estão falando aqueles que defendem que bandido bom é bandido morto? Pelo jeito não estão falando de bandidos que desviam dinheiro da saúde, enquanto o povo morre na fila à espera de uma cirurgia ou sem medicamentos, sem exames, sem atendimento médico…sem oxigênio.

Será que os bandidos dos quais eles falam são os traficantes que têm jatinhos e mansões e são amigos de governadores, prefeitos e senadores? Com certeza num são esses os bandidos que eles falam não, afinal esses contratam os maiores advogados criminalistas do País que num deixam a polícia sequer chegar perto, né mesmo?!

Me digam, por favor, de que bandido vocês estão falando? Aqueles que têm distintivo e arma e autorização para matar (salvo conduto)? Que dão “arrocho” em traficante pra ficar com as drogas e comandam milicia pra extorquir comerciante?

Lógico que não estão falando desses bandidos não, né mesmo? A coragem de certos tipos de “heróis” se resume a tratar como “bandido” e punir com a morte os garotos pobres da periferia da cidade. Quanta bravura!