Bando de adolescentes teria matado comerciante em Coari, diz a polícia

Latrocida solda

Foi preso, na tarde de sexta-feira passada (26), o jovem Kaike Ferreira Batista, de 18 anos, apontado pela polícia como um dos envolvidos no latrocinio do comerciante Júlio Rocha de Souza, 79 anos. O crime ocorreu no dia 22 de janeiro desse ano, no município de Coari, distante 363 quilômetros em linha reta de Manaus. A prisão foi efetuada por policiais civis lotados na Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Coari, com o apoio de integrantes do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera).

De acordo com o delegado titular da unidade policial, Mauro Duarte, Kaike foi preso em Manaus, na quadra de uma escola situada na Rua Nossa Senhora de Fátima, bairro Santa Etelvina, zona Norte. Conforme o delegado, o jovem infrator fugiu para a capital no dia seguinte ao crime e estava residindo atualmente na Rua Coronel Monteiro, no mesmo bairro onde ocorreu a prisão dele. “Quando chegamos à casa de Kaike um primo dele nos informou que ele estava na escola”, explicou.

O roubo seguido da mote do comerciante ocorreu por volta das 20h, na residência da vítima, localizada na Rua 5, quadra D do Conjunto Naide Lins, bairro União, em Coari. Mauro Duarte argumentou que no dia do crime Kaike e mais quatro indivíduos, encapuzados, invadiram a casa de Júlio pela lateral e seguiram para a parte de trás do imóvel, onde o homem e a esposa jantavam.

“Os infratores ordenaram que Júlio entregasse dinheiro a eles, mas o homem respondeu que não tinha. Em seguida, a vítima correu até a cozinha, onde pegou um terçado pequeno e foi em direção à sala, provavelmente à procura do motorista dele, Ozimar Júnior, 22, que estava trancado no quarto. Júlio acabou alvejado com um disparo de arma de fogo e veio a óbito no local”, disse o delegado.

Mauro Duarte informou que o bando estava à procura de R$ 15 mil que o comerciante supostamente guardava em casa, informação não confirmada pelos familiares da vítima. A arma utilizada no crime, uma espingarda calibre 16 de cano serrado, foi entregue pela mãe de um dos adolescentes envolvidos no latrocínio. A mulher disse que a espingarda pertencia ao sogro dela, mas que foi retirada da casa onde eles moram, sem a autorização do dono. O adolescente não foi encontrado pela polícia.

Segundo os policiais que participaram das diligências, Kaike confessou participação no crime, mas negou ter atirado na vítima. A polícia continua as investigações e já identificou mais dois dos quatro envolvidos na ação delituosa. Seriam dois adolescentes, de 16 e 17 anos.

O mandado de prisão em nome de Kaike foi expedido no dia 24 de fevereiro deste ano, pelo juiz da 1ª Vara da Comarca de Coari, Fábio Lopes Alfaia. O jovem foi indiciado por latrocínio e, após os procedimentos legais, foi encaminhado à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde irá permanecer até ser transferido para a unidade prisional de Coari.

FOTO: Divulgação / Assessoria de Imprensa da PC-AM