Bispo de Itacoatiara proíbe igrejas de receber dinheiro de políticos e empresas

A a restrição vale para pessoas e empresas que contribuem para o desmatamento e a expulsão de indígenas, quilombolas, ribeirinhos e pequenos agricultores de suas terras

Foto: divulgação

Paróquias, comunidades pastorais, grupos e movimentos vinculados à Prelazia de Itacoatiara (a 268 quilômetros de Manaus) foram proibidas pelo bispo José Amilton Lisboa de Oliveira de receber recursos financeiros, em moeda ou outros bens, de políticos. O bispo também proibiu doações de madeireiras, empresas de mineração, exploração de petróleo e gás. (veja documento no final da matéria).

  • Conforme a determinação no Decreto 006/2022, a restrição vale para pessoas e empresas que contribuem para o desmatamento e a expulsão de indígenas, quilombolas, ribeirinhos e pequenos agricultores de suas terras.

José Amilton Lisboa cita trechos da Bíblia para justificar a decisão. Entre eles, um do Profeta Isaías [33:15] “que precisamos caminhar na justiça, falar a verdade, recusar a lucrar com o roubo, não aceitar suborno.”

Francisco também alertou que configura crime as operações econômicas nacionais e internacionais que danificam a Amazônia e não respeitam o direito dos povos nativos do território e sua demarcação.

“As autoridades deixam caminho livre a madeireiros, a projetos minerários ou petrolíferos e outras atividades que devastam as florestas e contaminam o ambiente”, diz o papa, segundo citação usada pelo bispo de Itacoatiara.

A orientação foi enviada às 13 paróquias vinculadas à Prelazia de Itacoatiara.

Carta-de-bispo-orientacao-as-igrejas