Blasfêmia não! Nem que seja pra ganhar eleição!

Propaganda eleitoral 1

O Radar estava na rua e se deparou com um carro adesivado com propaganda política do vereador e candidato à reeleição, Amaury Collares, e de seu candidato a prefeito, o deputado federal Silas Câmara, ambos da igreja Assembleia de Deus, comandada pela tríade dos irmãos Câmara, os pastores Samuel, Jonatas e Silas. Até ai, não há o que euzinha falar.

Mas não escapou do meu Radar ver uma frase em letras garrafais bem em cima da imagem dos dois políticos evangélicos onde estava escrito o seguinte: “Deus é fiel”. Que Deus é fiel, isso é notório, mas misturar o nome de Deus com propaganda política, é inaceitável.

Isso é misturar o sagrado com o profano. É invocar o nome de Deus em meio ao jogo político do qual todos são sabedores da sordidez. Isso é o pecado da blasfêmia – “Não tomarás o nome do SENHOR, teu Deus, em vão, porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão” (Êxodo 20:7).

Afinal, qual a mensagem que o dono do carro quer passar? Será que Deus tem que mostrar sua fidelidade elegendo ou reelegendo esses respectivos candidatos que estão adesivados no carro? Mas, se Deus é fiel com todos os seus filhos, então não seria fiel também com os outros candidatos e não só com os da Assembleia de Deus? E será que os outros candidatos também não são dignos da fidelidade de Deus? E com tantos questionamentos “gritando” na minha cabeça, minha vontade mesmo foi fazer uma daquelas doidices de gritar pro cara do outro  carro:  “Será que dá pra tirar Deus dessa estória? (Any Margareth)