BNDES tem 20 dias para explicar auditoria que custou R$ 48 milhões

Foto: Reprodução Internet

O ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) Augusto Sherman estabeleceu prazo de 20 dias para que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) dê explicações sobre o contrato de R$ 48 milhões para que uma empresa estrangeira fizesse uma auditoria no banco.

Ao Poder360, o TCU informou que o despacho não é público, mas que o ministro solicita esclarecimentos “em especial quanto à economicidade” da contratação da Consultoria Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP.

O pedido de Sherman foi expedido no âmbito de outro processo, aberto em 2018, que está em segredo de justiça. A investigação buscava evidência de ocorrência de privilégios e de favorecimento às empresas do grupo JBS.

A auditoria prometia abrir a “caixa-preta” das operações do BNDES com a J&F de 2005 a 2018. Nada de ilícito foi apontado após o estudo. O custo total do contrato com o escritório ultrapassa R$ 70 milhões, mas a diretoria do BNDES afirmou ao Estadão, via LAI (Lei de Acesso à Informação), que a parcela paga para a auditoria foi de R$ 48 milhões. O banco não esclareceu com o quê o restante do dinheiro foi gasto.