Bolsonaristas atacam deputado amazonense que votou contra ‘Fundão’ de R$ 5,7 bilhões

O deputado federal José Ricardo (PT) que foi o único da bancada amazonense a votar contra o aumento do Fundo Eleitoral na votação realizada na última quinta-feira (15), está sendo alvo de ataques promovidos por um movimento social bolsonarista, que está investindo na divulgação de outdoors com discursos de ódio contra o parlamentar petista.

Zé Ricardo – Pior parlamentar do Amazonas. 507º pior do Brasil. Esse nunca mais!“, diz mensagem no cartaz.

Os dois outdoors com as mensagens ofensivas ao deputado estão localizados na avenida Buriti, bairro Distrito Industrial na Zona Leste de Manaus, uma região de intensa circulação de veículos, o que aponta um grande número de pessoas alcançadas com a propaganda ofensiva.

O Radar Amazônico entrou em contato com a empresa responsável pelos cartazes, a Marcar Outdoor, que informou não se responsabilizar pelo conteúdo da divulgação.

“Nós somos a divulgadora, o que o cliente contrata é de responsabilidade do anunciante”, declarou o administrador da empresa que preferiu não se identificar.

A empresa também revelou que o contratante do anúncio foi um grupo de pessoas, ligadas ao Movimento Conservador do Amazonas, o mesmo grupo de bolsonaristas que organizou a ‘motociata’ em solidariedade ao presidente Jair Bolsonaro, realizada no último sábado (17).

Sérgio Kruke, líder do Movimento Conservador do Amazonas. Foto: Reprodução / Redes Sociais

Procurado pelo Radar, o líder do movimento bolsonarista, o empresário Sérgio Kruke, declarou que o objetivo da divulgação não foi atacar, mas sim expor um ‘fato’.

“Mostrar a verdade não é ataque, é constatação de um fato, o Dep Federal Zé Ricardo, assim como o restante da bancada Amazonense, é insignificante para o Estado do Amazonas, não resolvem nada em relação ao desenvolvimento econômica e social do nosso povo”, declarou Kruke, em nota enviada ao Radar.

O empresário ainda deixou claro sua pretensão de expor outros parlamentares da bancada amazonense da mesma forma que está fazendo com José Ricardo, e ele diz que José Ricardo foi o primeiro por conta de sua posição no site Ranking dos Políticos,

O Motivo é mostrar ao Povo a realidade sobre esses parlamentares, não vai ficar só nele essa exposição, os demais também serão expostos. Começou por ele, simplesmente por ele ser o pior da lista Amazonense no Congresso”, finalizou.

O deputado José Ricardo informou por meio de nota que o site Ranking dos Políticos, que coloca o parlamentar na 508ª posição entre os congressistas, é um site de direita, que pontua negativamente os parlamentares que votam contra os projetos do governo Bolsonaro.

A informação divulgada pode ter como fundo um site que pontua os congressistas levando em consideração os projetos do Governo Federal e é considerado um veículo de comunicação de direita e de apoio ao Governo bolsonaro. Dessa forma, pontua negativamente todos os parlamentares que votam contra os projetos e propostas da União.”, declarou Ricardo.

O parlamentar ainda revelou ao Radar que não pretende processar os anunciantes e que a empresa responsável pelos outdoors deverá remover os cartazes ainda nesta terça-feira (20).

Vale lembrar, que Sérgio Kruke é braço político do ex-superintendente da Zona Franca de Manaus, coronel Alfredo Menezes, que já anunciou publicamente que pretende disputar as eleições para o Senado Federal em 2022.

Sérgio Kruke e Coronel Menezes na ‘motociata’ realizada no último sábado em Manaus.

‘Fundão’ bilionário

A perseguição contra o deputado federal José Ricardo começou após grande repercurssão da votação do Projeto de Lei do Congresso Nacional Nº 03/2021, que trata sobre a Lei das Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o ano de 2022, e prevê um ajuste no cálculo do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) conhecido popularmente como ‘Fundão Eleitoral’, que saltou de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões.

O parlamentar petista foi o único da bancada amazonense a votar contra o projeto, que teve apoio da bancada governista da Câmara e do Senado Federal, contando inclusive com voto favorável dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, Flávio e Eduardo Bolsonaro.

Após a repercussão negativa do caso, Bolsonaro culpou o deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) pela aprovação da matéria. Em resposta, Ramos declarou que estava presidindo a sessão e que o projeto teve o apoio dos próprios líderes do governo.

Na segunda-feira (19), Bolsonaro cedeu à pressão popular e declarou que não vai sancionar o ‘Fundão’.