Bolsonaro diz que decidirá se vai se vacinar depois do último brasileiro

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 5ª feira (1º.abr.2021) que decidirá se vai ou não se vacinar contra a covid-19. Ele, que completou 66 anos em 21 de março, integra o grupo que poderá ser vacinado a partir de sábado (3.abr) em Brasília.

“Está uma discussão agora: se eu vou me vacinar ou não. Eu vou decidir”, disse o chefe do Executivo em sua live semanal, transmitida em suas páginas oficiais nas redes sociais.

Bolsonaro completou: “O que eu acho? Eu já contraí o vírus. Eu acho que o que deve acontecer, depois que o último brasileiro for vacinado, se tiver sobrando uma vacina, vou decidir se vacino ou não. Esse é o exemplo que o chefe deve dar”.

O presidente já mudou sua percepção em relação às máscaras e agora as utiliza em eventos públicos. Desde o início de março, adota um discurso mais favorável e menos questionador em relação à vacinação em massa. Se decidir se vacinar, também será uma mudança de opinião. Antes, dizia que não tomaria o imunizante.

Em 5 de março, porém, Bolsonaro afirmou que “lá na frente” poderia se vacinar contra a covid-19.

“No meu caso, o pessoal fica perturbando ‘tome a vacina’. O que é vacina? Não é um vírus morto? Eu já tive o vírus vivo. Então estou imunizado. Deixa outro tomar a vacina no meu lugar. Lá na frente, depois de todo mundo, se eu resolver tomar, porque no que depender de mim é voluntário, não pode obrigar ninguém a tomar vacina, eu tomarei”, declarou em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada.

Em entrevista à TV Band em 8 de março, Bolsonaro disse que era motivado por seus ministros a tomar a vacina. Afirmou na ocasião que havia possibilidade de se vacinar contra o coronavírus depois de que “todos os 210 milhões de brasileiros” se imunizassem contra a doença.

“Teve uma reunião de ministros em que quase unanimidade achou que eu devia me vacinar. Eles falaram né. Mas, com todo respeito, eu sou mais eu sozinho do que os 23 juntos. Agora, eu pretendo dar a chance para que todos se vacinem. Eu me sinto muito bem. Eu já estou aqui imunizado. Eu peguei o vírus em meados do ano passado. Estou muito bem”, disse o presidente em entrevista ao programa Brasil Urgente.