Bolsonaro ganha quadro com logo de seu partido feito de cartuchos de armas

Para comemorar o início do novo partido, o presidente ganhou uma obra feita com cartuchos de armas de grosso calibre representando o logo do Aliança Pelo Brasil. O responsável pelo presente foi o artista plástico Rodrigo Camacho, do Rio de Janeiro. A imagem do quadro foi postada pelo jornalista Mateus Ferraz em seu perfil no Twitter.

Na convenção, Bolsonaro foi anunciado como presidente do partido e seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), como vice. Após ser recebido aos gritos de “o capitão chegou”, o presidente da República fez longo discurso de estreia na legenda. Nos pontos altos, afirmou que deixou o PSL após negociações que considerou inapropriadas.

“Esse foi o problema do partido que deixei há poucas horas: negociar legenda, vender tempo de televisão e fazer do partido um negócio para ele”, afirmou.

O presidente também atacou o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC). Segundo Bolsonaro, Witzel seria derrotado nas eleições se Flávio Bolsonaro não o apoiasse, e após ser alçado ao cargo de governador, passou a sonhar com a presidência da República.

Bolsonaro também voltou a acusar Witzel de utilizar a Polícia Civil do Rio de Janeiro para incriminá-lo com o depoimento do porteiro do condomínio Vivendas da Barra. O presidente também revelou que já sabia da exibição da matéria na TV Globo sobre a citação de seu nome no processo do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes, dias antes de ir ao ar.

“Ele [Witzel] colocou na cabeça dele destruir a reputação da família Bolsonaro. Minha vida virou um inferno depois das eleições de Witzel”, afirmou. Em seguida, defendeu a inocência do filho, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).