Bolsonaro propõe criar comitiva de presidentes para visitar Putin 

Membros do Itamaraty confirmaram que, de fato, a proposta foi feita. 

(Osaka – Japão, 28/06/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante recepção ao Presidente da Federação Russa, senhor Vladimir Putin.rFoto: Alan Santos / PR

O presidente Jair Bolsonaro sugeriu às autoridades da Turquia a criação de uma espécie de comitiva de presidentes para visitar Vladimir Putin, em Moscou. A proposta chegou a ser descrita por uma parcela de diplomatas dentro do Itamaraty como sendo “megalomaníaca”, enquanto do lado dos mediadores do conflito com a Ucrânia a percepção é de que o momento não é de “show”, e sim de negociações de bastidores.

A ideia de Bolsonaro surgiu durante a visita ao Palácio do Planalto na semana passada do chanceler turco, Mevlüt Çavusoglu. Em entrevista aos jornalistas após o encontro com o presidente brasileiro, o ministro disse que Bolsonaro elogiou o papel de Ancara na tentativa de mediação entre russos e ucranianos. Membros do Itamaraty confirmaram ao UOL que, de fato, a proposta foi feita.

Nas últimas semanas, tem sido o governo turco o organizador das conversas, na esperança de que um cessar-fogo possa ser atingido.

Mas o turco saiu de Brasília com uma nova proposta. “O presidente brasileiro Bolsonaro disse que está pronto para organizar uma visita conjunta a Moscou com alguns líderes importantes do país se o presidente Erdogan também concordar”, disse.

Segundo ele, o brasileiro disse que gostaria de “contribuir com seus esforços”. “Dissemos que faríamos um estudo e retornaríamos a eles”, explicou o ministro turco.

Nos meios diplomáticos, o trabalho da Turquia tem sido considerado como um dos raros canais de diálogo entre Kiev e Moscou e a ordem é a de manter um perfil mais discreto para que entendimentos possam surgir.

A proposta de uma comitiva de perfil elevado, portanto, não cumpriria essa missão. Entre os negociadores, há um temor de que a visita não sirva para ajudar a buscar a paz, e sim votos e popularidade para os presidentes que farão a viagem.

Bolsonaro, em fevereiro, foi ao Kremlin depois de ter as portas fechadas a ele nos Estados Unidos e na Europa. Na tentativa de mostrar ao seu eleitorado que também é recebido por líderes estrangeiros, o presidente acabou optando por Moscou. A viagem foi vista com preocupação por parte das potências ocidentais.

Mais recentemente, o Brasil tem evitado condenar Putin nos organismos internacionais, defendeu que a Rússia não seja suspensa do G20 e votou em abstenção em várias resoluções na ONU contra Moscou.

Não por acaso, o Kremlin passou a elogiar a postura do Brasil e até voltou a sugerir que gostaria de ver o país como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU como forma de frear a influência americana.

Não está descartado, portanto, que a ideia de uma missão para Moscou seja aceita por Putin. “Ele sabe que precisa alimentar aqueles que o apoiam, ou que pelo menos não estejam aderindo às sanções ocidentais”, explicou um alto funcionário na ONU.

Um papel de mediador, portanto, não seria exatamente o que o Brasil poderia receber. Para isso, Bolsonaro também teria de fazer gestos e até uma visita aos ucranianos, o que não foi proposto.

Na conversa com os jornalistas, o chanceler turco ainda destacou que, apesar de rivais, Bolsonaro e Nicolas Maduro posturas de proximidade com Moscou.

“Brasil e Venezuela, você sabe, estão em boas relações com a Rússia. Ambos os países disseram que a guerra deve parar”, completou.