Brasil chega a 350 mil mortes por covid, 17 dias depois da marca de 300 mil

Imagem: Vincent Bosson/Estadão Conteúdo

O Brasil superou nesse sábado (10) mais de 350 mil mortes por covid-19. A marca foi alcançada apenas 17 dias depois de o país contar 300 mil vítimas da pandemia. De ontem (9) para hoje, a média diária de mortes voltou a superar 3.000, alcançando o segundo maior índice da pandemia. Os dados são do consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte, e que apura os números com as secretarias estaduais de Saúde.

Esse ritmo de novas mortes —50 mil em cerca de uma quinzena— só ocorreu nos Estados Unidos, no auge da pandemia, entre dezembro e janeiro. Os EUA têm uma população 55% maior que a brasileira. Em nenhum outro lugar do mundo morreram tantas pessoas por covid-19 em tão pouco tempo, segundo os dados da plataforma Our World In Data.

O Brasil apresenta hoje o pior quadro da pandemia no mundo. Há mais de um mês, desde 9 de março, somos o país onde mais morrem pessoas por covid-19. A liderança brasileira é avassaladora: o segundo lugar não chega a mil mortes por dia, menos da metade do Brasil. Aqui, já são 80 dias seguidos com mais de mil vítimas por dia, na média semanal.

Segundo lugar em nº de mortes

O total de vítimas é de 351.469, de acordo com o consórcio de imprensa. Com esse número, o Brasil é o segundo país com mais mortos pela pandemia em todo mundo. Só está atrás dos Estados Unidos, onde 561 mil pessoas perderam a vida. Mas há uma diferença fundamental entre a situação da covid-19 no Brasil e nos EUA: aqui, o número de mortes continua no maior patamar da pandemia, enquanto nos Estados Unidos, está caindo rapidamente. Uma das causas do sucesso americano é o avanço da vacinação. Em terceiro lugar em número de vítimas está o México, com cerca de 210 mil mortes por covid-19.

Comentário de Bolsonaro

Neste dia em que o Brasil passa de 350 mil mortes por covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passeou de moto e visitou uma comunidade perto de Brasília. “Continua em casa e daí morre de fome”, disse Bolsonaro, em tom de deboche, sobre medidas que visam promover o isolamento social para frear o ritmo da pandemia. O presidente não usou máscara em grande parte do passeio. Chegou a tirar foto com outras pessoas, uns próximos dos outros, todos sem o item de proteção contra a covid-19.

Intervalo recorde

A primeira morte por covid-19 no Brasil foi registrada em 17 de março do ano passado. Passaram-se 95 dias até chegarmos a 50 mil mortes.

A marca de 100 mil foi batida 49 dias depois, em 08 de agosto de 2020. Depois de mais 63 dias, chegamos a 150 mil vítimas.

Os 200 mil mortos foram contados 89 dias depois, em 07 de janeiro deste ano. Passados mais 48 dias, o país atingiu 250 mil vítimas.

O número de 300 mil vítimas veio após 28 dias, no último 24 de março. Agora, somente 17 dias depois, o Brasil passa de 350 mil mortos por covid-19.

Evolução da pandemia

17/03/2020 – primeira morte por covid-19 registrada no Brasil

20/06/2020 – 50.058 mortes

08/08/2020 – 100.543 mortes

10/10/2020 – 150.236 mortes

07/01/2021 – 200.163 mortes

24/03/2021 – 301.087 mortes

10/04/2021 – 351.469 mortes

O Brasil em números Na primeira onda:

Maior número de mortes em 24h: 1.554 (19/7)

Maior média móvel de óbitos: 1.097 (25/7)

Maior período com média acima de mil: 31 dias

Maior número de óbitos em uma semana: 7.679 (de 19/7 a 25/7).

Na segunda onda:

Maior número de mortes em 24h: 4.211 (6/4)

Maior média móvel de óbitos: 3.119 (1/4)

Maior período com média acima de mil: 80 dias

Maior número de óbitos em uma semana: 19.603 (de 28/3 a 3/4)