Brasil fecha 985 mil vagas de emprego em 12 meses

Brasil, Brasília, DF. 03/03/2004. Manifestantes mostram carteira de trabalho durante manifestação dos funcionários de bingos, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, pedindo a reabertura das casas de bingo no Brasil, após assinatura de medida provisória proibindo o jogo no Pais. - Crédito:JOEDSON ALVES/ESTADÃO CONTEÚDO/AE/Codigo imagem:107754

O Brasil registrou em agosto o 5º mês seguido de perda de vagas de empregos formais. No mês, as demissões superaram as contratações em 86.543, segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgadas nesta sexta-feira (25).

O resultado de agosto foi o pior para este mês desde 1995, quando foram fechadas 116 mil vagas.

No acumulado dos 8 primeiros meses deste ano, ainda segundo dados oficiais, foram fechados  572.792 postos com carteira assinada no país.

Apesar do país ter continuado a perder vagas com carteira assinada, o número de vagas fechadas em agosto ficou abaixo das 157 mil vagas perdidas no mês anterior.

Na véspera, o ministro do Trabalho, Manoel Dias, tinha afirmado que os dados oficiais sobre o mercado de trabalho iriam mostrar desaceleração das demissões no mês. “O resultado ainda é negativo… A nossa expectativa e a nossa esperança é que a recuperação ocorra em 2016”, disse.

985 mil vagas fechadas em 12 meses

O fechamento de vagas formais acontece em meio a um fraco nível de atividade econômica, com o Brasil oficialmente em recessão técnica, a alta da inflação e do endividamento das famílias, e de um ajuste nas contas públicas – implementado pela equipe econômica, principalmente, com aumento de impostos e corte de investimentos.

No acumulado nos últimos 12 meses, segundo os números do Caged, foram eliminados 985.669 postos de trabalho no país, o que corresponde a uma redução de 2,37% no contingente de empregados celetistas.

Com a redução de vagas formais em julho deste ano, o número de trabalhadores com carteira assinada, em todo o país, também tem recuado. No fim de agosto de 2014, um ano atrás, 41,62 milhões de pessoas tinham emprego com carteira no Brasil. No mês passado, o número de trabalhadores empregados já tinha recuado para 40,63 milhões.

Ministro diz ser o ‘mais otimista’

Ao comentar o resultado, o ministro Manoel Dias disse que é um fato concreto a possibilidade de o país perder mais de 1 milhão de postos de trabalho em 2015.

“Mas estamos capacitados a recuperar. Com a inclusão social que foi feita, o governo terá condição de recuperar os empregos,  de fazer a correção de rumos da economia. Vamos recuperar a capacidade de gerar emprego”, afirmou.

Dias destacou que o governo vai investir R$ 68 bilhões na área de construção civil, o que poderá reduzir o fechamento de postos de trabalho no país. Segundo disse, até setembro foram assinados contratos de R$ 36 bilhões, o que poderá significar 3,6 milhões de novos postos de trabalho ainda em 2015.

“Fui eleito o ministro mais otimista do governo, é da minha natureza, torço a favor do Brasil”, disse Dias ao anunciar os números do mercado de trabalho do país em agosto.

“O setor de serviços informou que recupera geração de empregos até o fim de 2015. O setor automobilístico está fazendo promoções de vendas, em outubro pode regularizar a produção”, disse.

Sobre a reforma ministerial em discussão no Planalto, o ministro disse que seu partido, o PDT, ainda não recebeu qualquer sinalização da presidente sobre a permanência no ministério, o que ele acredita que aconteça na volta de Dilma da viagem a Nova York.

Taxa de desemprego está em 7,6%

O desempego no país subiu para 7,6% em agosto e atingiu a maior taxa já registrada para o mês desde 2009, segundo dados do IBGE divulgados na quinta-feira (24). Um ano atrás, em agosto de 2014, a taxa estava em 5%.

De acordo com o IBGE, a população desocupada – que está procurando trabalho – somou 1,9 milhão e ficou estável em relação a julho. Mas, na comparação com o mesmo mês do ano passado, esse número cresceu 52,1%.

Já o rendimento médio real dos trabalhadores, estimado em R$ 2.185,50, caiu 3,5% em relação ao ano passado e aumentou 0,5% na comparação com julho.

Perda de vagas por setores

De acordo com os números do governo, a indústria da transformação foi responsável pelo maior corte de vagas no mês passado: foram 47.944 postos perdidos no período. Na sequência, aparece a construção civil (-25.069 vagas) e o comércio (-12.954 vagas).

Na indústria, os maiores cortes ocorreram no setor têxtil (-10.164 postos), metalúrgico (-8.473) e mecânico (-8.038).

O destaque positivo ficou com o setor de serviços, com a criação de 4.965 vagas formais em agosto e com a administração pública (+730 vagas).

Fonte: G1