Brasil goleia Bolívia com show de Neymar, gol de “Safadão” e ovação a Tite

brasil-e-bolivia-1-capa

O Brasil evoluiu. Deixou de ser um “time safado” para ser um time Safadão. Assim, no aumentativo, com Neymar roubando a bola, tabelando, fazendo gols e dando assistências, com Giuliano, Daniel Alves e Coutinho enchendo os olhos, Gabriel Jesus fazendo mais um, e até gol de Wesley Safadão, ou melhor Roberto Firmino e sua chuquinha. A semelhança capilar com o cantor despertou a criatividade do público de Natal, que delirou em gritos de “Vai, Safadão” quando o atacante entrou no lugar de Jesus, e mais ainda quando fez o quinto gol em cabeçada certeira. A vitória por 5 a 0 merece a ressalva de que a Bolívia é muito fraca? Merece. Mas também vale lembrar que o Brasil sofria para vencer times frágeis. Isso quando vencia… Ponto para Tite, ovacionado pela galera que estava habituada a vaiar Dunga. Vai, Safadão!

PRIMEIRO TEMPO

4 a 0 em 45 minutos. Só resta tentar explicar o porquê. O Brasil se encontrou em campo, mesmo com as mudanças. Aliás, os quatro que entraram: Filipe Luís e Coutinho fizeram gols, Giuliano deu assistência e Fernandinho teve posicionamento exemplar atrás. Neymar, mesmo um grau acima no individualismo, resolveu. Abriu espaços, roubou a bola e tabelou com Gabriel Jesus para abrir o placar, deixou Filipe e o próprio Jesus livres para marcarem. Sempre em jogadas pelo lado, com ultrapassagens e triangulações. A Bolívia, perdidinha, parecia sentir a altitude de Natal depois de treinar nos 3.800 metros de La Paz. Vai ver sobrou oxigênio…

brasil-e-bolivia-2

SEGUNDO TEMPO

A Bolívia voltou totalmente entregue para o segundo tempo, imóvel diante das tabelas brasileiras. Em uma delas, linda, Neymar e Giuliano quase ampliaram. Por cansaço de Jesus e cotovelada em Neymar, Tite mexeu. Entraram Firmino Safadão e Willian, e a equipe ficou mais objetiva, com mais tesão por mais gols. Firmino marcou de cabeça e o Brasil controlou a vantagem até o fim.

brasil-e-bolivia-3

TABELA E CLASSIFICAÇÃO

O Brasil manteve a segunda colocação nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, um ponto atrás do Uruguai: 19 a 18. Na próxima terça-feira, em rodada que abre o segundo turno, as duas seleções jogam fora de casa. O Brasil contra a Venezuela e o Uruguai diante da Colômbia. Oportunidade para chegar ao primeiro lugar. A Bolívia, por sua vez, segue com sete pontos e caiu para o penúltimo lugar com o empate entre Peru e Argentina. Na terça receberá o Equador, em La Paz.

300

Há uma conta que diz: desde o primeiro gol de Neymar no time principal do Santos, em 2009, contra a Bolívia ele chegou a 300. Esses dados incluem seleções olímpicas, sub-17, mas descartam torneios anteriores a esse período. Um “marco-zero” criado pelo seu estafe. Na seleção brasileira, e isso é irrefutável, o craque chegou a 49 gols. Não contam para esses dados aqueles marcados por equipes com restrições de idade, mesmo a olímpica.

brasil-e-bolivia-4

UM SUSPENSO

O Brasil tinha seis pendurados. Só Neymar (que deixou o gramado sangrando no segundo tempo, após receber uma cotovelada) recebeu o segundo cartão amarelo e ficará fora do jogo contra a Venezuela. Daniel Alves, Miranda, Filipe Luís, Giuliano e Lucas Lima estão liberados para a partida da próxima terça-feira, mas, se forem advertidos em Mérida, terão de cumprir suspensão diante da Argentina, dia 10 de novembro, no Mineirão.

brasil-e-bolivia-5

Fonte: GE