Buscas por paraquedista desaparecido entram no quarto dia e se estendem para área de mata

Luiz Henrique integrava um grupo de 14 paraquedista que fazia um salto, quando a tempestade atrapalhou a descida e mudou a rota de pouso

Foto: Divulgação

As buscas pelo paraquedista Luiz Henrique Cardelli, que desapareceu após salto na sexta-feira (15), em Manaus, entraram no quarto dia nesta segunda-feira (18) e se estendem, agora, para área de mata. Ao todo, 70 agentes estão empenhados na operação de busca.

Luiz Henrique integrava um grupo de 14 paraquedista que fazia um salto, quando uma tempestade atrapalhou a descida deles. Dois paraquedistas conseguiram pousar em solo, enquanto Luiz e outra paraquedista foram jogados pelo vento em direção ao Rio Negro, nas proximidades da Ponte Jornalista Phelippe Daou. Ele é advogado e tinha vindo a Manaus a trabalho.

Segundo informações dos órgãos envolvidos na busca, o Batalhão de Incêndio Florestal e Meio Ambiente (BIFMA), especializado em buscas e resgate na selva, passa a integrar as equipes. As buscas vão se concentrar a partir do início da ponte Phelippe Daou.

A ex-mulher do paraquedista Luiz Henrique Cardelli, Jéssica Santos, chegou a Manaus neste domingo (17) para acompanhar as buscas pelo ex-marido.

Morte

O incidente resultou na morte da paraquedista Ana Carolina Silva que teve o corpo encontrado no sábado (16),  por voluntários, às margens do Rio Nego, no Distrito de Cacau Pirêra, em Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus).