Câmara aprova prestação de contas de 2004 do ex-prefeito, hoje vereador, Carijó

vereador Luiz Alberto Carijó

A prestação de contas da Prefeitura de Manaus ,de nove meses do denominado “mandato tampão” de Luiz Alberto Carijó, durante o ano de 2004, foi aprovada pela Câmara Municipal de Manaus. Dentro desse período de um ano, estão incluído três meses da administração de Alfredo Nascimento antes de renunciar a prefeitura para ser ministro dos Transportes. O Legislativo municipal acompanhou parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE) pela aprovação das contas. Carijó lembrou o que diz o Regimento Interno quando a votação de contas de vereadores que já ocuparam outros cargos públicos, ou contas de parentes ligados a vereadores no exercício do mandato, e se absteve de votar pela questão ética de não legislar em benefício próprio, ou seja, a favor da aprovação de suas próprias contas.

O vereador tucano, Mário Frota, que ocupou o cargo de vice-prefeito de Serafim Correa, logo após a saída de Carijó, disse ter tido acesso, nessa época, a documentos que comprovavam irregularidades na gestão de Alfredo Nascimento, como por exemplo, a construção de 10 escolas, “que não saíram do papel”. E ainda criticou a implantação do Sistema Expresso, com paradas de ônibus no valor de R$ 137 mil. “Valor que, naquela época, dava para construiu uma excelente casa”, comentou o parlamentar. Carijó, lembrou que suas contas foram aprovadas por unanimidade no TCE, e que seus pares eram testemunhas de que não qualquer interferência de sua parte para que a Câmara não julgasse suas contas com rigidez, nas Comissões de Constituição, Justiça e Redação Final (CCJR), e na de Economia, Finanças e Orçamento, assim como em plenário. “Tenho plena consciência da lisura dos meus atos como gestor público. Que meus pares votem com a sua consciência”, disse Carijó.

O parecer da Comissão de Economia e Finanças atestou que os gestores tiveram preocupação de observar todos os pontos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), principalmente nos dispostos pelo o disposto no artigo 42, já que o saldo patrimonial constante no balanço contábil de 2004 apresenta-se positivo com o ativo real líquido no valor de R$ 815, 9 milhões. O parecer ressaltou ainda, que o ativo financeiro do balanço apresenta o montante de R$ 139 milhões frente ao passivo que apresenta o montante de R$ 80 milhões, o que demonstra o zelo do gestor ao deixar financeiro suficiente para honrar os compromissos registrados no passivo financeiro” (informações que estão no site da Câmara)

Carijó recebeu o apoio de vários vereadores, entre eles o ex-presidente da Casa, vereador Isaac Tayah, Marcel Alexandre e Dr. Gomes.