Câmara de Coari decide afastar o vice de Adail e prefeito em exercício e bloquear as contas da Prefeitura

plenário-camara-coari

Enquanto o povo da rica Coari amarga a miséria, sem educação, sem saúde, sem infraestrutura, sem nada, as lideranças políticas do município, decidem partir para o enfrentamento, em pleno período eleitoral, apenas pela sanha de Poder e pelo apego ao dinheiro dos royalties do petróleo. Foi assim que o Radar, na noite dessa terça-feira (26) tomou conhecimento que os vereadores da Câmara Municipal de Coari decidiram afastar o prefeito Igson Monteiro e bloquear as contas da Prefeitura, o que fará com que a administração daquela cidade que já deixava o povo sem direito a serviços básicos como medicamentos nos hospitais e merenda escolar nas unidades de ensino do município, fique agora com seus recursos bloqueados até para pagamento do funcionalismo público.

Os mesmos vereadores que já inocentaram Adail Pinheiro e arquivaram Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) com denúncias de superfaturamento e fraude em licitação, assim como também mandaram para o arquivo morto a Comissão Processante com pedido de cassação do prefeito, decidiram acatar denúncia feita pelo cidadão Lucio Lima Barbosa, da comunidade de Nossa Senhora Aparecida, Zona Rural de Coari e instalar mais uma comissão processante. A denúncia foi acatada por unanimidade de oito vereadores que estavam em plenário – a Câmara de Coari possui 15 vereadores.

Segundo Lucio Lima Barbosa, a denúncia foi feita com base na falta de pagamento dos trabalhadores que fazem transporte escolar, fato que ocasionou paralisação das aulas, e o atraso no pagamento da maioria dos fornecedores do município, entre eles os que fornecem merenda escolar. Essas denúncias foram repassadas ao Radar por ouvintes da rádio Educação Rural de Coari, que transmite as sessões plenárias da Câmara. Ao final da denúncia, o cidadão solicita o bloqueio do dinheiro da Prefeitura e o imediato afastamento do prefeito em exercício, e vice-prefeito de Adail Pinheiro, Igson Monteiro, “para que a situação não se agrave ainda mais e Coari não venha a passar por um colapso financeiro” – sem querer desmerecer o denunciante, mas essa frase está me cheirando a dedo de alguém ajudando a elaborar a denúncia, não é mesmo gente?

Os vereadores que estavam em plenário e aprovaram o acatamento da denúncia são: o presidente da Câmara de Coari, Antonio Bonfim, o Deca, Adnamar Guimarães, Clodair Melo, Carlos Batista (Merelo), Raimundo Nonato (Branco), Rocivaldo Coutinho (Passarão), Mario Jorge e Raimundo Nonato (Prof. Natinho). No Decreto Legislativo, redigido e aprovado pelos vereadores está determinado o imediato afastamento do prefeito em exercício, Igson Monteiro, assim como o bloqueio das contas de Coari “até que seja apreciada pela Justiça a intervenção no município” – imagina quanto tempo isso não vai durar já que o pedido de intervenção em Coari feito pelo Ministério Público do Estado (MPE) já tem meses e continua empacado no Tribunal de Justiça do Amazonas sem qualquer decisão. Também está no Decreto Legislativo, a instalação de uma Comissão Processante composta por um presidente, o vereador Clodair Melo, pelo relator, Raimundo Nonato (Branco) e por um membro, o vereador prof. Natinho – aquele que conseguiu fazer dois relatórios de uma mesma CPI, um culpando, e outro inocentando o prefeito Adail Pinheiro,lembram?

Algo de podre   

A decisão tomada na noite desta terça-feira (26) pela Câmara de Coari só me fez lembrar aquela velha frase: Há algo de podre no reino da Dinamarca. As notícias que chegam ao Radar dão conta de uma briga pelo Poder e pelo dinheiro da mais rica cidade do interior do Estado. É só lembrar que quem assume a Prefeitura no afastamento de Igson Monteiro é o presidente da Câmara de Coari, vereador Antonio Bonfim, o Deca, aquele mesmo que o irmão empresário vive conseguindo contratos milionários da Prefeitura de Coari, lembram?

As informações que o Radar recebeu apontam para várias situações, ou essa é mais uma daquelas Comissões Processantes para pressionar o prefeito a liberar mais recursos para os sempre “famintos” e endividados vereadores de Coari,  ou já se avizinha uma briga pela presidência da Câmara, onde o prefeito pretende colocar seu irmão, o vereador “Bat”, e o vereador Deca não pretender deixar que isso ocorra, ou os vereadores acham que o prefeito Igson Monteiro está enriquecendo demais, e eles estão de menos, ou ainda está havendo um embate entre os grupos do prefeito em exercício e de Adail Pinheiro, onde o primeiro quer se livrar de parte dos sanguessugas da turma do Adail, para colocar os seus sanguessugas, e Adail não quer deixar.

Seja por qual ângulo for visto o fato, o que menos se chega à conclusão é que o bloqueio das contas de Coari e o afastamento  do prefeito Igson Monteiro tenham a ver com preocupação com a população de Coari e a defesa dos direitos desse povo. Mais uma vez, quem vai ficar no meio do fogo cruzado é esse mesmo povo, pagando a conta da miséria humana pelos podres poderes dessa gente, enquanto isso tudo poderia ser evitado se a Justiça (com letra maiúscula) decidisse fazer Justiça com os cidadãos de Coari. (Any Margareth)