Campanha alerta sobre raiva transmitida por morcegos hematófagos no AM  

Após confirmação de foco de raiva em um bovino no município de Careiro Castanho (a 88 quilômetros de Manaus), a Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf) promoveu a campanha de alerta contra a raiva transmitida por morcegos hematófagos na cidade. Uma equipe de médicos veterinários e técnicos agropecuários realizaram nas propriedades rurais a imunização dos animais herbívoros, e a captura de morcegos hematófagos. A ação encerrou no último dia 29 de novembro.

As medidas de vigilância, no sentido de controlar, prevenir, combater e evitar a disseminação da doença foram realizadas aproximadamente em 60 propriedades rurais, do município. Mais de 400 animais herbívoros foram imunizados contra raiva, sendo a maioria bovinos. 

Ao todo, 42 morcegos hematófagos foram capturados pela equipe da Adaf, e todos foram tratados com pasta vampiricida e soltos para fazer o controle populacional da colônia de origem. Já em quatro morcegos foi realizada a coleta de materiais para análise laboratorial, com o intuito de verificar circulação viral da raiva.

“Primeiramente assinalamos o raio de 12 km e identificamos as propriedades que estão dentro desse raio, apurando que são 120 propriedades. Estamos visitando todas e realizando a vacinação de todos os animais susceptíveis à raiva”, comentou o médico veterinário da Adaf, Rodrigo Dias.

Rodrigo ressaltou ainda os sintomas da raiva em herbívoros. “Se o produtor observar algum animal que teve agressão nos últimos meses, que apresenta andar cambaleante, salivações excessivas, que se esconde da luz solar, fica longe do rebanho e não quer se alimentar, eles deverão comunicar a Adaf imediatamente”, reforçou. 

Os morcegos podem afetar animais domésticos, como cães e gatos, bem como herbívoros, que são bovinos, suínos, equinos e caprinos. A doença causa impacto econômico, afetando a saúde pública, uma vez que pode afetar tanto o homem  como os animais mamíferos e silvestres. Quando se há evolução da doença, invariavelmente, é fatal nos animais acometidos.

O maior transmissor do patógeno é o morcego hematófago, que se alimenta de sangue. 

Sobre a ação 

A ação iniciou pela propriedade rural do foco identificado pela equipe da Adaf. Para o produtor rural, Zacarias Nogueira, que teve o seu bovino afetado pela raiva, o foco da doença foi uma surpresa, que até então os familiares não haviam identificado. Foram feitas pesquisas para a identificação do problema, com um médico veterinário contratado, que observou que o gado havia sido ferrado por morcegos, e em seguida notificou a Adaf.

“O veterinário comunicou às pessoas da Adaf para realizarem uma visita na propriedade. Foi feita a primeira visita, e depois foi preciso coletar o material do animal doente. Quando um animal morreu, levaram o cérebro para fazer exame e foi constatada a doença. Alerto os amigos para ficarem atentos. Se um rabo estiver ferrado de morcego e houver todos esses sintomas, que seja comunicado, que procurem a Adaf”, comentou Zacarias. 

Notificação 

Na comunidade, a equipe da Adaf reforçou para que a população de modo geral, caso identifique a existência de abrigo de morcegos e mordidas em animais de produção, notifique a autarquia. Para este serviço, a Adaf disponibiliza o telefone e WhatsApp do AdafOuv 99380-9174.