Caos administrativo em Coari: Iran Medeiros exonera, por decreto, cerca de 3.500 servidores, deixando escolas sem professores e hospital sem médico

IRAN 3O vereador Iran Medeiros (DEM), eleito presidente da Câmara Municipal de Coari – e por conseguinte prefeito em exercício de Coari -na noite de quarta-feira (18) , por 8 dos 15 vereadores da Casa, após esses mesmos vereadores conseguirem liminar concedida pelo desembargador Rafael Romano, assinou decreto “encerrando todos os contratos administrativos referentes à contratação temporária de pessoal e exonerar todos os cargos de provimento em comissão da Prefeitura Municipal de Coari e Autarquias Municipais”. Isso significa a demissão de cerca de 3.500 servidores públicos, entre eles, todos os 890 professores contratados pelo último processo seletivo que inclusive foi realizado com ordenamento e fiscalização do Ministério Público do Estado (MPE).

O município fica com 30 médicos a menos, restando apenas 3 médicos do quadro de servidores efetivos e 10 médicos do programa “Mais Médicos”, do Governo Federal, que são generalistas. O hospital de Coari fica sem médicos especialistas, e a saúde pública fica sem agentes de saúde, já que 90% deles são contratos temporários. O decreto nº 411 assinado pelo vereador-presidente da Câmara, e prefeito em exercício de Coari, Iran Medeiros, está datado de 19 de março, ou seja, menos de 24 horas depois de ter sido eleito – “competente” administrador esse, né gente, que na madrugada de um dia para outro, decide que o município pode ficar sem médico e sem professor. Com a mesma rapidez da decisão tomada pelo “prefeito de liminar”, o decreto foi publicado no Diário Oficial dos Municípios de hoje, 20 de março. (Ver decreto no final da matéria)

Infelizmente – a gente adoraria estar errado e até ficaria feliz de levar uma esculhambação por isso -, o que o Radar previu, aconteceu. A alternância de prefeitos provocada por seguidas decisões liminares trouxe o caos administrativo para Coari e, mais uma vez, quem vai pagar a conta dessa “guerra” nos tribunais é o povo de Coari.

Não cumpre

Mas, a mesma ligeireza – essa expressão tem tudo a ver com o apelido que o vereador ganhou em 1996 quando assumiu a prefeitura por dois dias e foi acusado na Justiça de sumir com os recursos da folha de pagamento que estavam em conta bancária -, desta vez, o vereador Iran Medeiros diz não ter ao ser perguntado, durante entrevista de rádio, se vai cumprir acordo assinado com o Ministério Público para o pagamento do 13º dos profissionais de educação, do ano passado. “Acabei de assumir. Vou ver”, diz vagamente Iran Medeiros – o prazo do acordo firmado pela Prefeitura com o MPE é exatamente a data de hoje, e o próprio locutor de rádio que fez a pergunta a Iran Medeiros informou que o ex-prefeito Merelo teria deixado R$ 500 mil em conta para tal compromisso. O ex- prefeito informou ao Radar, pelo telefone, que deixou em conta bancária R$ 580 mil destinados para o pagamento dos professores.

O acordo foi assinado pelo também prefeito em exercício, vereador Carlos Alves Batista, o Merelo, -que ficou apenas dias na Prefeitura após decisão, também através de liminar, da desembargadora Encarnação Sampaio “suspendendo os efeitos” da eleição para a Mesa Diretora da Câmara de Coari, realizada em 19 de novembro do ano passado, e determinando que o vereador mais velho assumisse o cargo de prefeito.

professor-natinhoApoio do governador

E o vereador que figura como impetrante, junto com Iran Medeiros, em todos os dois mandados de segurança, com os quais conseguiram as liminares para que Medeiros virasse prefeito, o vereador Raimundo Nonato Coelho, o Natinho – aquele dos dois relatórios numa mesma CPI, lembram gente? – e que na mesma eleição de quarta-feira à noite foi eleito 1º secretário da Câmara de Coari, disse durante entrevista de rádio que o seu grupo de vereadores capitaneados por Iran Medeiros, “tem o apoio do governador José Melo e do Comando da Polícia Militar que, inclusive, mandou para Coari o coronel Ewerton”. E, nossos inteligentíssimos e antenados leitores, vão entender muito bem porque só me veio a cabeça a música do grupo de rock Titãs: “Policia para quem precisa, polícia para quem precisa de polícia…” Por que será que esses vereadores precisam de apoio da polícia minha gente?

Vereador de Coari Márcio AlmeidaAbençoados por Deus

E também durante entrevista de rádio, o vereador Marcio Almeida – o suplente que assumiu ano passado após a cassação da vereadora Cleiciane Cruz por crime eleitoral, lembram –, em tom indignado e não se sabe mandando recado pra quem porque não citou nomes, pediu respeito pela decisão de ter ficado com o grupo de Iran Medeiros. Marcio Almeida disse sua “decisão foi tomada em família e que esse grupo está abençoado por Deus”. Vamos lembrar o 2º mandamento para o vereador: “Não tomar o santo nome de Deus em vão”.

E como se não bastasse usar o nome de Deus num contexto político como esses, o vereador e estudante de Direito da Faculdade Nilton Lins Marcio Almeida ainda declarou que sua decisão de apoiar Iran Medeiros e Natinho é “pelo bem de Coari porque ele chega a sentir vergonha de dizer que é coariense”. E qual é o orgulho em demitir em massa servidores públicos, hein? E qual a legalidade nisso, assim como em descumprir acordo com o Fiscal da Lei que é o MPE? (Any Margareth)

Documento prefeito de Coari

Clique na imagem para ampliar