Casa Civil de Melo tem de repórter da Difusora a parentes de juiz; gasto de R$ 34,8 milhões

Marco, Robério e Pelegrini

Para quem não conhece, o Radar conta que a Casa Civil não passa de um corredor na sede administrativa do Governo do Estado onde, de jeito algum, caberiam 568 funcionários. Porém, esse é exatamente o número de funcionários que estão (diz que) lotados na Casa Civil do Governo do professor Melo. Essa estrutura funcional custou aos cofres públicos, somente no ano passado, o valor de R$ 34,8 milhões, em média quase R$ 3 milhões por mês e, nesses primeiros cinco meses de 2016, já foram gastos R$ 14,4 milhões para pagar desde repórter da rádio Difusora, de propriedade do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Josué Filho, a parentes de secretários do Governo de Melo e de juiz que, coincidentemente – será, gente? – já chegou a suspender a tramitação de todos os processos no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que pediam a cassação do governador e de seu vice, Henrique Oliveira – ver relação de funcionários da Casa Civil, cargos e salários no final da matéria, assim como os gastos do Governo com a Casa Civil.

No mesmo Governo que não tem dinheiro para manter unidades de saúde, tem dinheiro pra montar um cabidezão de emprego na Casa Civil onde o repórter da Rádio Difusora, Alberto Pelegrine – aquele que elogia o governador o tempo inteiro – tem cargo comissionado de Assessor II AD-2 com salário de R$ 4.209,79 – Numa rápida passada de vista na folha de funcionários da Casa Civil também nos deparamos com sobrenomes como “Gorayeb”, o mesmo do secretário de Infraestrutura do Estado, Américo Gorayeb. A parenta é Andrea Feitosa Gorayeb – o grau de parentesco não foi descoberto, mas com esse sobrenome dá pra ser parente de outra pessoa? Ela está na folha de funcionários da Casa Civil com o cargo comissionado de “consultor técnico legislativo IV – AD1, com salário de R$ 5.229,77.

E o secretário “vitalício” de Cultura do Estado, – aquele que está lá desde os tempos de Amazonino – Robério Braga, também conseguiu um cargo comissionado para o sobrinho na Casa Civil. Lourenço dos Santos Pereira Braga Junior é um dos vários secretários executivos do governador, com salário de R$ 11.700,00. E por falar em vários secretários executivos, na Casa Civil do governador professor José Melo não tem só secretários executivos, também tem os secretários executivos adjuntos e os secretários adjuntos. Todos eles com salários que atingem até R$ 15.600,00. – pelo jeito o professor Melo tá precisando de mais secretário do que hospital tá precisando de médico, né mesmo gente?

Acusado de esquema e juiz eleitoral

E tem gente acusada de participar do esquema de corrupção eleitoral do governador para captação ilegal de votos nas eleições de 2014 que também conseguiu um cargo comissionado lá na Casa Civil. Tancredo Soares que aparece em inúmeras escutas da Polícia Federal, durante investigação da Operação Quintessência, para apurar o uso do aparato policial do Estado para práticas criminosas na campanha à reeleição do governador, apesar de ser médico, ganha um salário de R$ 7.500,00 num tal de cargo comissionado de consultor técnico I – será que é consultor técnico em quê mesmo, hein meu povo?

Mas, lá na Casa Civil do governador professor José Melo, também tem os parentes do juiz Marco Antonio Pinto da Costa que, no ano passado, enquanto ainda estava no cargo de juiz eleitoral, chegou até mesmo a suspender a tramitação de todos os quase 30 processos contra o governador José Melo e seu vice, Henrique Oliveira por crime eleitoral, mesmo aqueles cujo denunciante não era o outro candidato nas eleições de 2014, mas o próprio Ministério Público Eleitoral.

Em mais uma decisão favorável ao governador, em novembro de 2014, o juiz Marco Antonio Pinto da Costa, atendendo um pedido de liminar da coligação do governador (Fazendo mais por nossa gente) chegou até mesmo a colocar em suspeição outro colega juiz eleitoral, Marcio Rys Meirelles, retirando-o da relatoria de 14 processos de cassação do governador, o que fez com que o julgamento de ações eleitorais contra o governador fossem tramitando à passos de tartaruga.

E teve ainda pedido de vista do juiz Marco Antônio Pinto da Costa, em 14 de agosto do ano passado, que fez suspender o julgamento de um dos processos contra Melo. Exatamente aquele que trata sobre o uso da polícia do Estado para a prática de crimes eleitorais. O juiz Affimar Cabo Verde, relator do processo, decidiu pela aplicação de multa de 106 mil e pela cassação do governador e de seu vice. O juiz Affimar Cabo verde até já saiu do TRE e o processo não teve uma conclusão.

Pois o mesmo juiz Marco Antônio Pinto da Costa tem duas cunhadas na Casa Civil do governador José Melo, Janaina Pitaluga Moreno e Luciana Pitaluga Moreno, ambas com a mesma função, Assessor I AD1, e o mesmíssimo salário, R$ 5.229,77. O juiz também tem irmão com cargo na Casa Civil de Melo, Djalma Martins da Costa Junior, ambos são filhos do desembargador Djalma Martins. O irmão do juiz e filho do desembargador tem o cargo de consultor técnico II, no valor de R$ 6.500,00.

E, peraí tá meu povo, que não acaba por aqui o levantamento do Radar sobre as dezenas de cruzetas penduradas na Casa Civil do governador professor José Melo. A questão é que um final de semana não foi suficiente pra captar de onde vem toda essa gente que representa milhões pagos com o nosso dinheiro, enquanto o Governo faz cortes na saúde pública. Mas, o Radar chega lá! (Any Margareth) 

RELAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS – CASA CIVIL

TABELA GASTOS CASA CIVIL 2015

TABELA GASTOS CASA CIVIL 2016