Casa da Ciência entra em reforma a partir de dezembro

A Casa da Ciência, localizada no Bosque da Ciência no Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), passará por reforma e modernização do acervo e estrutura. A nova proposta expositiva contempla amostras e informações de animais e plantas da biodiversidade amazônica, as interações ecológicas entre os organismos e o ambiente, além do ato de fazer ciência e como se chega ao conhecimento científico.

As obras de reforma iniciam em dezembro e para o público a Casa da Ciência estará aberta até esse domingo (25). A previsão do Inpa é reabrir o espaço em junho de 2019. Nesse período, o Bosque da Ciência funcionará normalmente. A maior parte do acervo da Casa será redistribuída para a Casa de Madeira e o Chapéu de Palha, atrativos que ganham novas funções expositivas absorvendo itens como a Vida do Seringueiro e Vida Aquática, respectivamente.

Os itens mais delicados ou que precisam de cuidados especiais ficarão guardados, a exemplo da folha gigante da Coccoloba, que ficará no Auditório da Ciência por necessitar de um lugar climatizado. Após a reforma, a Coccoloba e outros elementos voltam para a Casa da Ciência, que ganhará porta de entrada e saída alterando o fluxo de visitação (hoje a mesma porta que entra é a que sai) e, na parte superior, um mezanino, onde ficará o acervo de aves e mamíferos. No térreo estarão seções de peixes, invertebrados, répteis e anfíbios e botânica.

“A Casa da Ciência cumpria muito bem seu papel para o visitante e o seu acervo não será perdido. Pelo contrário, será ampliado e melhor organizado, com mais conteúdo e qualidade, onde será possível melhor apresentar a ciência que o Inpa produz”, disse a coordenadora de Extensão do Inpa, a pesquisadora Rita Mesquita.

Esta será a primeira vez que a Casa da Ciência vai dispor de projeto museográfico, que foi desenvolvido pela empresa Equipe B, de Minas Gerais. A reforma é mais uma ação do Projeto Museu na Floresta, uma parceria do Inpa com a Universidade de Quioto, com o patrocínio da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica).

A nova exposição da Casa da Ciência tem como linha guia o fazer científico, a construção do conhecimento, mostrando como é feita a pesquisa e como se alcança o conhecimento científico em si.

A nova exposição será interativa, além de o público poder se colocar na posição de pesquisador e tentar compreender fenômenos ecológicos.

Na nova Casa também haverá sala de imersão, onde será possível ouvir sons da floresta e de pássaros, e um espaço para exposições temporárias, que atenderá demandas de grupos que queiram mostrar seus trabalhos durante um determinado período.

Com informações do Inpa.