Caso Jerusa: testemunha de defesa passa mal antes do início de julgamento

O julgamento do Caso Jerusa acontece no Fórum Henoch Reis, bairro São Francisco, zona Sul de Manaus

caso jerusa

Foto: Divulgação/TJAM

O julgamento Ivan Rodrigues Chagas, acusado da morte de Jerusa Helena Torres Nakamine, em abril de 2018, retornou na manhã deste sábado (4) no Fórum Henoch Reis, no bairro São Francisco, zona Sul de Manaus.

A sessão realizada pela 2.ª Vara do Tribunal do Júri de Manaus deveria ser retomada às 9h, porém, antes dos trabalhos voltarem, a primeira testemunha de defesa que continuaria seu depoimento alegou estar passando mal e foi atendida pelo setor médico do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM).

Por volta das 11h20, o Ministério Público do Amazonas (MPAM) dispensou o depoimento da respectiva testemunha e, com isso, o terceiro dia de julgamento foi iniciado pela juíza Ana Paula de Medeiros Braga Bussolo.

A terceira testemunha presta depoimento neste exato momento no Fórum Henoch Reis. A juíza Ana Paula concedeu uma pausa de 20 minutos, tendo começado às 16h30 e finalizado às 16h50.

O TJAM informou que a expectativa é que hoje sejam ouvidas as outras duas testemunhas de defesa restantes e ainda ocorra o interrogatório do réu. Não tem hora para terminar os trabalhos de hoje.

A expectativa é que o julgamento do Caso Jerusa seja concluído na tarde do próximo domingo (5).

Suspensão

Na sexta-feira (3), a sessão havia sido suspensa no início da tarde, depois que os advogados do réu solicitaram a reprodução em Plenário de um áudio, que conteria conversa da vítima no interior do seu carro, registrada por gravador implantado pelo réu, conforme citado durante o júri.

A acusação afirmava que se tratava de prova ilegal. A juíza que preside o julgamento suspendeu temporariamente a sessão para poder analisar o conteúdo do áudio e, assim, decidir se autorizaria não a reprodução do áudio em Plenário do Júri.

Durante a noite, a juíza decidiu pelo desentranhamento desse áudio dos autos, o que não agradou a defesa, mas o julgamento acabou sendo retomado ainda com o depoimento da testemunha que tinha começado a falar pela manhã. A sessão foi suspensa por volta das 22h e reiniciada neste sábado.

(*) Com informações do TJAM