Caso Mariana Ferrer: atos de protesto acontecem neste domingo (8) em todo o país e em Manaus

Foto: Divulgação

Manifestações por justiça no caso Mariana Ferrer irão acontecer em diversas cidades do Brasil, neste final de semana, inclusive em Manaus. A convocação está sendo feita pelas redes sociais. A absolvição de André de Camargo Aranha, suspeito de ter estuprado a promotora de eventos Mariana Ferrer, durante um evento em 2018, e o assédio moral e a humilhação imposta pelo advogado de defesa do acusado, Claudio Gastão da Rosa Filho, com a anuência do juiz Rudson Marcos, fez se alastrar pelas redes sociais manifestações de protestos em todo o País. Até mesmo parlamentares federais e ministros de tribunais superiores do País reagiram com indignação.

Os atos de protestos do próximo domingo estão sendo chamados de “Não existe estupro culposo” já que a tese do promotor do Ministério Público de Santa Catarina, Thiago Carriço de Oliveira, que levou a absolvição do empresário André Aranha, é de estupro sem dolo, o mesmo que estuprar sem ter intenção de estuprar – ago que não existe na jurisprudência brasileira.

Nas redes sociais, celebridades e a sociedade em geral repercutiram o caso com muita revolta e indignação. Em reportagem, publicada pelo site The Intercept Brasil, a decisão do juiz foi denominada como “estupro culposo”, algo nunca antes vista em processos judiciais no Brasil.

Revoltados com a notícia, que vem sendo acompanhada por diversos movimentos sociais desde que a promotora de eventos tornou público o posicionamento do Tribunal de Justiça , internautas subiram a hashtag #estuproculposonãoexiste e expressaram sua revolta através de inúmeras postagens que tomaram as redes sociais nessa terça-feira.

Em Manaus, os protestos acontecem neste domingo (8), em frente ao Teatro Amazonas, no Largo de São Sebastião, Centro de Manaus. A concentração inicia às 13h, com horário de saída das manifestações pelas ruas da capital marcado para as 14h.

Os organizadores alertam para as medidas de prevenção à Covid-19 durante o ato de protesto. É obrigatório o uso de máscara e, a coordenação do manifesto aconselha ainda o uso de roupa preta e pulseira vermelha para identificação de quem for participar do ato.