Casos de violência sexual contra crianças e adolescentes sobem 145% no Estado

Nos dois primeiros meses deste ano, os casos de violência sexual contra crianças e adolescentes no Amazonas cresceram 145%, ao subir de 35 registros criminais no ano passado, para 86 casos em 2018. Os dados foram apresentados no encerramento do IV Seminário de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes, como alerta às autoridades, para o cumprimento de uma política efetiva de proteção dos direitos da infância e da adolescência no Estado.

“Apesar das dificuldades, vamos continuaremos cobrando do poder público e lutando, para que as nossas crianças e jovens tenham atenção, saúde, educação e dignidade respeitadas”, enfatizou o deputado Luiz Castro (Rede), coordenador da mesa redonda que abordou “o fluxo de atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência sexual”, na terça-feira (22), no fechamento dos debates do seminário.

Luiz Castro preside a Frente Parlamentar de Enfrentamento à Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes (Frenpac), promotora do evento, em sua quarta edição.
A mesa de encerramento contou com a participação da conselheira tutelar da Zona Rural de Manaus, Laudimea Corrêa da Cunha, da psicóloga do Savis-Instituto da Mulher, Fábia Gondim Rosa, da representante da DEPCA, Joyce Coelho Viana, da médica perita do IML, Margareth Vidal e do promotor de Justiça, Rodrigo de Miranda Leão Júnior.

Precariedade

Para a conselheira Laudimea Cunha, a situação das crianças é dramática, mas deve servir de alerta e de estímulo para a luta contra a violação dos direitos. “É como enxugar gelo, mas continuamos resistindo” frisou. Na zona rural, segundo ela, as dificuldades de atendimento são maiores devido a falta de recursos e de profissionais, além das distâncias entre as comunidades.

Já a representante da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e Adolescente (DPCA), Joyce Viana, a falta de aparelhamento técnico e de pessoal, dificultam todo o trabalho no recebimento das denúncias. Atualmente existem 5 mil inquéritos policiais parados.

Mobilização

Em dois dias, o seminário mobilizou cerca de 400 participantes, entre estudantes, profissionais das áreas de serviço social e psicologia, conselheiros tutelares, ativistas sociais, religiosos, organizações da sociedade civil, instituições de ensino e representantes de órgão governamentais.

A programação inclui palestras, debates, oficinas e compartilhamento de experiências. “Foi uma grande oportunidade de formação, de troca de informações e de reflexão sobre os 18 anos de enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes, com o propósito de contribuir para o fortalecimento da rede de proteção da infância e da adolescência”, destacou a assistente social, Branca Pinheiro, que coordenadora da Frenpac e articuladora do evento.