Casos notificados de malária reduzem 21,8% na capital amazonense

Foto: Divulgação

Em 2019, o número de casos de malária reduziu 21,8% em comparação com o ano de 2018 na capital amazonense, segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). No ano passado, foram registrados 6.522 casos de malária. O número superou a meta do Plano Anual de Saúde (PAS 2019), da Prefeitura de Manaus, que estimava uma redução de 15%.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, pelo segundo ano consecutivo Manaus apresentou redução de casos de malária, já que em 2018 houve diminuição de 20,86% em relação a 2017. “A meta da gestão do prefeito Arthur Neto é manter a redução de casos ano a ano. Para isso, a Prefeitura de Manaus tem investido em ações”, disse o secretário.

Entre as ações desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) estão: a busca ativa de casos suspeitos; o fortalecimento da rede para diagnóstico precoce e tratamento; ações de Educação em Saúde; implantação, monitoramento e reposição de mosquiteiros impregnados com inseticida; aplicação de biolarvicida; borrifação intradomiciliar para o controle do mosquito transmissor da doença; além do monitoramento e avaliação de criadouros.

Risco

A malária é doença infecciosa produzida por protozoários do gênero Plasmodium, tendo como principal vetor de transmissão o mosquito Anopheles, e é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um grande problema de saúde pública nos países em desenvolvimento.

O chefe do Núcleo de Controle da Malária da Semsa, João Altecir Nepomuceno da Silva, destaca que o Brasil é o país que mais registra casos de malária na região das Américas e atualmente os estados do Amazonas (43,24%), Pará (21,74%) e Roraima (11,94%) acumulam 76,92% dos casos notificados durante o ano de 2019.

Distribuição

Em relação à distribuição por zona no município de Manaus, do total de casos registrados em 2019, 48,2% foram notificados na zona Leste e 29,9% na zona Rural Terrestre, seguindo na zona Rural Fluvial (12,2%), zona Oeste (6,9%), Norte (1,5%) e Sul (0,2%).

João Altecir informa ainda que 17,3% dos casos de malária em Manaus foram registrados em localidades caracterizadas como ocupações desordenadas (invasões), com 1.123 notificações de janeiro a dezembro de 2019.

Com informações da assessoria de comunicação da Semsa