Chico Preto diz que a violência desenfreada é fruto da corrupção nos Governos de Omar e Melo

chico preto 35

O deputado estadual Marco Antônio Chico Preto, afirmou na quinta-feira, 04, na Assembleia Legislativa do Estado (ALEAM), que a corrupção marcou os últimos anos do governo Omar Aziz e José Melo, e pediu para o Ministério Público realizar uma investigação completa na Secretaria de Segurança, que estaria sendo usada para realizar negócios milionários, destinados a financiar campanhas eleitorais.

Segundo Chico Preto, o governador José Melo precisa sair da propaganda, encarar a realidade e explicar à população porque os presídios estão no caos, a política de segurança pública no funciona na televisão e o Ronda no Bairro só funciona mesmo nas portas dos grandes estabelecimentos comerciais.

“O governador José Melo tem as suas mãos sujas com o sangue das pessoas, das vítimas dessa violência e desses desmandos, pois se omite”, afirmou, destacando que hoje a segurança é apenas um negócio entre amigos e parentes. “O Omar Aziz é o governador de fato do Amazonas e José Melo “serve apenas para segurar e usar a faixa” de Chefe do Executivo estadual”, disparou, cobrando mais seriedade no trato do bem público.

Ao refutar insinuações sobre a utilização irregular do sargento PM José Cláudio Marques, lotado na Casa Militar da ALEAM, morto em um latrocínio no início da tarde da terça, 2, em frente à sede do PMN, no Eldorado, Chico Preto disse que está à disposição do MP para prestar os esclarecimentos que se fizerem necessários.

Grito de socorro  

Durante o seu pronunciamento na ALEAM, classificado como um “grito de socorro de milhares de amazonenses”, Chico Preto disse que há vários meses vem se manifestando contra os desmandos registrados no governo do Amazonas e deixou claro que optou por deixar a Liderança da Maioria na Assembleia Legislativa por não compactuar com as manobras e atentados contra a legalidade.

Como exemplo dos “desmandos” Chico Preto apontou o volume de recursos utilizado para financiar a propaganda oficial – destinada a iludir o eleitor menos avisado -, bem como os mais de R$ 1,2 bilhão aplicado por ano na área da Segurança Pública, além da autorização dada pelo ex-governador Omar Aziz, antes de deixar o governo, para o pagamento antecipado de R$ 100 milhões de parte de um precatório de R$ 700 milhões, previsto para ser pago a partir de 2015.

“Hoje o Ronda do Bairro existe apenas na propaganda oficial. Quero que o Ministério Público apure onde estão as 300 viaturas que custam ao cidadão R$ 375 milhões por ano. Vale lembrar que hoje nem metade opera nas ruas, mas o dinheiro da população está lá, todo mês sendo pago. Para quem? Quero crer que o Ministério Público e a imprensa também têm interesse em saber onde estão as motos do programa, além dos rádios e equipamentos deixados pela FIFA para serem usados pela polícia”, disse ele.

De acordo com Chico Preto, a polícia e o Ministério Publico precisam passar a limpo o processo e investigar de “A a Z”, para prestar os devidos esclarecimentos à sociedade, à opinião pública, bem como ir atrás “dos bandidos instalados no poder público” e daqueles que estão soltos nas ruas.