Chuva mata 18 e deixa 72 cidades em situação de emergência na Bahia

Reprodução/Twitter

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), decretou, neste domingo (26/12), situação de emergência em mais 47 municípios devido aos estragos causados pelos temporais que atingem especialmente o sul e o sudoeste do estado. Com isso, subiu para 72 o número de cidades nesta situação. Foi confirmada ainda mais morte, aumentando para 18 o total de óbitos. Pelo menos duas barreiras se romperam.

As tempestades afetam cerca de 400 mil pessoas. Mais de 15 mil estão desabrigadas. “Na história recente da Bahia, não lembro de tragédia tão grande”, disse Rui Costa.
“Nós temos 37 cidades com várias comunidades embaixo d’água”, afirmou.

Em algumas localidades, rios subiram 10 metros e deixaram municípios inteiros debaixo d’água. Há estradas bloqueadas por deslizamentos. Com isso, moradores de alguns distritos estão completamente isolados, o que dificulta as operações de salvamento.

O governador sobrevoou municípios atingidos e explicou que o aumento no número de cidades em situação de emergência se deu pela cheia de rios, que continuam a subir: “Embora a chuva tenha dado uma trégua, a água continua subindo muito naquelas cidades que estão abaixo de barragens, abaixo de rios”.

De acordo com o coronel Jadson Almeida, assistente do comandante-geral do Corpo de Bombeiros da Bahia, foram confirmadas 18 mortes decorrentes da chuva no estado. O 18º óbito é de um homem que foi levado pela correnteza em Aurelino Leal.

A vítima morreu afogada, após um cabo de aço que prendia sua balsa se romper.

A Prefeitura de Jussiape, município de pouco mais de 5 mil habitantes, anunciou neste domingo que uma barragem se rompeu. A gestão municipal pede que os moradores busquem lugares seguros para se abrigarem.

No sábado (25/12), foi a Prefeitura de Itambé, no sudoeste da Bahia, que alertou os moradores sobre o rompimento de barragem da região.

O número de pessoas atingidas chega a 380 mil. O governador do estado aponta que a prioridade agora é resgatar as pessoas ilhadas, em locais de risco: “Neste momento, [vamos] salvar as pessoas com botes e helicópteros, e tirar as pessoas de cima dos telhados, de cima das casas, de pontos ilhados”.

Além da operação de resgate, “a outra linha é da assistência: garantir a cesta básica, colchão, agasalho”, disse Rui Costa.

Neste domingo (26/12), o ministro da Cidadania, João Roma, visita a região. Entre as ações anunciadas pelo governo federal, está o envio de combustíveis e aeronaves para auxiliar nos resgates.

Moradores do sul da Bahia enfrentam, desde novembro, chuvas muito fortes. O tempo até havia melhorado nas últimas semanas, mas voltou a fechar neste Natal, causando uma situação de calamidade que levou ferrenhos adversários políticos a sentar na mesma mesa (ainda que de forma virtual) para buscar soluções emergenciais.